MENU

Raupp disse que PMDB vai se reunir para tratar do futuro de Novais

Raupp disse que PMDB vai se reunir para tratar do futuro de Novais

Atualizado: Quarta-feira, 14 Setembro de 2011 as 3:48

O presidente do PMDB, Valdir Raupp, ao lado da

presidente Dilma Rousseff e do governador

Confúcio Moura (Foto: Roberto Stuckert Filho /

Presidência)

  O presidente interino do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), afirmou que os líderes do partido e o vice-presidente, Michel Temer, vão se reunir nesta quarta-feira (14) para discutir a situação do ministro do Turismo, Pedro Novais, alvo de denúncias de irregularidades.

“Devemos sentar hoje à tarde. Devemos sentar as lideranças do PMDB no Senado e na Câmara junto com o vice-presidente para discutir essa questão”, afirmou. Temer está em São Paulo, onde ficou internado em razão de uma intoxicação alimentar , e deve chegar a Brasília até o fim da tarde.

“A questão do ministro Pedro Novais ainda não foi debatida internamente, dentro do partido. É muito recente, começou ontem e o nosso vice-presidente da República, Michel Temer, está em São Paulo”, afirmou após reunião com a presidente Dilma Rousseff e o governador de Rondônia, Confúcio Moura.   Eleito pelo PMDB do Maranhão, Novais é deputado federal licenciado e indicado para o Ministério do Turismo pela bancada peemedebista da Câmara.

O ministro é alvo de denúncias de uso indevido de dinheiro público. No mês passado, a pasta foi investigada pela Polícia Federal durante a Operação Voucher, que levou à prisão do número dois do ministério , o ex-secretário-executivo Frederico da Silva Costa.

Segundo reportagem do jornal "Folha de S.Paulo" de terça-feira (13), Novais pagou uma governanta com recursos da Câmara dos Deputados durante sete anos. A mulher seria servidora do gabinete de Novais quando ele exercia o mandato de deputado federal. Eleito pelo PMDB do Maranhão, Pedro Novais está licenciado.

Conforme outra reportagem da "Folha", publicada nesta quarta, a mulher de Pedro Novais usaria irregularmente um funcionário lotado em um gabinete de aliado de Novais, o deputado Francisco Escórcio (PMDB-MA), como motorista particular.

O ministro do Turismo, Pedro Novais, durante

audiência no Senado (Foto: Pedro Ladeira/

Agência O Globo )

  Pedro Novais deverá responder nesta tarde a seu partido , o PMDB, se entregará o cargo à presidente Dilma Rousseff. Pela manhã, o ministro se reuniu com sua equipe no ministério para discutir a situação. Também se encontrou com o líder do partido na Câmara, o deputado Henrique Eduardo Alves.

Segundo o blog de Cristiana Lôbo , a carta de demissão chegou a ser discutida, embora Novais resista a entregar o cargo.

Dilma

Mais cedo, nesta quarta, a presidente Dilma Rousseff afirmou que vai pedir explicações ao ministro para “avaliar” o caso e tomar as decisões “cabíveis”.

“Primeiro a gente pede as explicações cabíveis. Eu estou voltando hoje de São Paulo. Nós vamos encaminhar isso, avaliar qual é a situação e aí tomar as medidas cabíveis de forma muito tranquila”, disse.

A presidente afirmou que ainda não conversou com Novais sobre as novas denúncias. "Ele não me deu explicação até porque eu não estava aqui." Dilma foi a São Paulo na terça, onde participou de eventos ao lado do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Líder do PMDB na Câmara

O líder do PMDB na Câmara , deputado federal Henrique Alves (RN), disse que a decisão de deixar ou não o comando do Ministério do Turismo é de Pedro Novais.

Na manhã desta quarta, Alves reuniu a bancada do PMDB na Câmara para discutir o assunto, mas negou que os deputados tenham retirado apoio ao ministro. No entanto, disse que Novais "precisa sentir" a hora de sair do cargo.

"Conversei com Novais ontem pelo telefone para ele explicar as denúncias. Ele disse que o noticiário é requentado. O sentimento de deixar ou não o cargo deve partir dele. Não é prática do PMDB abandonar ninguém no momento de dificuldade", afirmou.          

veja também