MENU

Recém-nascida espera vaga para cirurgia em hospital público da Bahia

Recém-nascida espera vaga para cirurgia em hospital público da Bahia

Atualizado: Sexta-feira, 24 Junho de 2011 as 2:04

A família de uma recém-nascida de Ilhéus, no sul da Bahia, vive um drama por causa da falta de vagas nos hospitais públicos. A menina nasceu com um problema no coração e precisa de uma cirurgia que só é feita em Salvador, mas não consegue vaga para o tratamento.

Rebeca Silva Alves de Jesus nasceu no dia 30 de maio na maternidade Santa Helena, em Ilhéus. A criança ainda não recebeu alta. Ela precisa de cuidados porque tem cardiopatia congênita, uma má formação no coração. “O coração é composto pelas quatro câmaras principais, dois átrios e dos ventrículos, onde o sangue sai pela artéria aorta e ele volta para o coração pra ser oxigenado. No caso dela, ela praticamente não tem o ventrículo direito. Então, ela tem um ventrículo único e o sangue tem dificuldade de ser oxigenado”, explica a pediatra Mônica Raiol.     A pediatra explica ainda que a criança precisa tomar por dia dois frascos de um remédio, como parte do tratamento. Segundo a médica, o estado de saúde de Rebeca é grave. Somente uma cirurgia pode salvar a vida do bebê de quase um mês. O procedimento só é feito na capital.

A pediatra disse que já enviou à Central de Regulação do Estado vários pedidos de transferência. “Eles falam que não tem vaga. A gente compreende que não tem vaga, mas se essa criança fosse transferida e, pelo menos, tivesse em uma UTI, tivesse maior facilidade de conseguir a medicação, de mantê-la mais estável, com certeza seria mais seguro pra ela”, completa a médica.

Rebeca é a primeira filha da dona de casa Joice Silva dos Santos. Todos os dias ela está no hospital à espera de uma notícia boa. “Já entrei com ação no Ministério Público, o juiz já assinou os papéis, já enviou, mas estamos aguardando ainda. Tô muito triste com isso, muito triste mesmo”, conta Joice.

A Secretaria da Saúde da Bahia foi contatada através da assessoria de imprensa, mas, até o final da manhã desta sexta-feira (24), não se pronunciou sobre o caso da menina Rebeca.          

veja também