MENU

Revezamento na presidência do Senado pode não ocorrer, diz Renan

Revezamento na presidência do Senado pode não ocorrer, diz Renan

Atualizado: Terça-feira, 1 Fevereiro de 2011 as 10:48

O líder da bancada do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), afirmou nesta segunda-feira (31) que a troca na presidência da Casa pode não seguir o revezamen to entre PMDB e PT que o governo já demonstrou intenção em implementar. Nesta segunda, a bancada do PMDB decidiu por unanimidade indicar o presidente do Senado, José Sarney (AP), à reeleição, e Renan, à liderança da bancada.

"Aqui no Senado o regimento é mais claro em relação ao direito de a maior bancada indicar o presidente. Nós temos um regimento mais claro com relação à proporcionalidade. (...) Se for seguido o regimento, o regimento aponta nessa direção [de o PMDB permanecer no comando]", declarou.

"A bancada do PMDB reunida, pela unanimidade dos presentes, decidiu indicar o presidente Sarney como candidato do partido à presidência do Senado. Isso segue critério de proporcionalidade. Essa condição, o PMDB a conquistou nas urnas. Por unanimidade também, a bancada renovou a minha indicação para líder da bancada no próximo biênio", disse.

Segundo Calheiros, o desrespeito à regra da proporcionalidade seguida no Senado pode levar ao desentendimento político. "Toda vez em que, no Senado, alguém não respeitou o critério de proporcionalidade, levou a instituição a disputas desnecessárias", afirmou.

Comissões

Renan Calheiros afirmou também que a disputa pelas presidências das 11 comissões do Senado ainda não está traçada. Nós ainda não estabelecemos essa ordem de prioridade. Nós vamos pedir a Comissão de Constituição e Justiça, pela regra da proporcionalidade, que nos dá esse direito", afirmou, antecipando a demanda de seu partido.

Segundo ele, o critério de proporcionalidade dá ao PMDB o direito a três cargos na mesa e a presidir três comissões permanentes.

Sobre as indicações aos cargos da mesa, Renan afirmou que o processo vai depender da ordem de escolha. "O mais provável, pelo que nós temos visto, é que o PT indique o primeiro vice-presidente, e o PSDB indique o primeiro secretário. As coisas estão caminhando por aí", disse.

Atuação da bancada

O líder do PMDB aproveitou para falar sobre a linha que os senadores do partido devem seguir na nova legislatura.

"Nós vamos discutir na bancada absolutamente tudo que significar o posicionamento do partido no plenário, e o líder vai expressar sempre o pensamento da bancada. (...) Dentre as coisas que precisamos ressaltar, uma delas é a retomada do crescimento econômico, a vocação do Brasil. E tudo que significar frear o crescimento da economia não contará a princípio com o PMDB", disse.

Ele defendeu ainda a desoneração da folha de pagamento, a reforma política e "tudo que desburocratize e agilize a economia". "É importante a reforma tributária, nós vamos sinceramente trabalhar por ela. É bom que se diga que nós já fizemos no Senado Federal uma reforma tributária que lamentavelmente não andou na Câmara dos Deputados. Portanto, é mais natural que nós reafirmemos esse compromisso, nós temos legitimidade para tanto", declarou.

Essa negociação, segundo o líder, deve ficar para as próximas semanas. "Não há ainda uma convergência com relação à composição das comissões, essa é a próxima etapa - provavelmente em 15 ou 10 dias. Nós estamos agora voltados para a ocupação dos cargos da mesa seguindo a proporcionalidade", reforçou.

Câmara dos Deputados

Mais tarde, já após as 19h30, o PMDB definiu a indicação da deputada Rose de Freitas (ES) para a 1ª vice-presidência da Casa em reunião na Câmara dos Deputados.

"A importância fundamental é a bandeira que nós estamos levantando, de um parlamento que precisa ser mais dinâmico, para que esta Câmara tenha muito a ver com o povo brasileiro. Ter uma mulher na mesa é um fato histórico que nós temos que honrar", afirmou a deputada, que passou a compor a chapa de Marco Maia (PT-RS).

Por: Fábio Tito

veja também