MENU

Rio: Após Lagoa, Cedae promete limpar praias da Ilha do Governador, Paquetá e Niterói

Rio: Após Lagoa, Cedae promete limpar praias da Ilha do Governador, Paquetá e Niterói

Atualizado: Terça-feira, 29 Setembro de 2009 as 12

A  limpeza da Lagoa Rodrigo de Freitas , na Zona Sul do Rio, pode render frutos, a acreditar na promessa da Cedae - a Companhia estadual de Águas e Esgotos - e da Secretaria estadual do Ambiente: a meta agora é limpar praias dentro da Baía de Guanabara, um projeto bem mais ambicioso e que se arrasta há décadas.

A promessa é tornar as águas das praias da Ilha do Governador e de Paquetá próprias para o banho. Niterói também está nos planos de despoluição.

Com um investimento de R$ 600 milhões na Baía de Guanabara, a meta é que cariocas possam, em 2016, também curtir o sol foram do circuito zonas das praias Sul-Oeste.

"No resultado publicado na semana passada, as praias da Ilha do Governador têm o melhor índice de qualidade de água dos últimos 30 anos, especialmente a Praia da Bica", comemora Wagner Victer, presidente da Cedae.

Nascido e criado na Ilha, Victer sonha em voltar a nadar nas praias da região, mas é pé no chão e sabe que os resultados vão demorar. A estimativa é que todas as praias no estado estejam limpas até 2016, ano dos Jogos Olímpicos.

"Processo de despoluição é um desafio todo especial. Quem falar que vai resolver todos os problemas imediatamente é mágico e cascateiro. Estamos fazendo um trabalho de engenharia", conta Victer, que na semana passada remou nas águas da Lagoa.

'Maracanãzinho' cheio de esgoto

Segundo Victer, o índice de poluição na Baía vem caindo, mas é cedo para comemorar.   

"Tiramos da Baía 2.500 litros de esgoto por segundo. É um maracanãzinho cheio de esgoto por dia. Isso fez com que houvesse uma melhoria grande na qualidade da água da Baía. A entrada do Canal do Cunha, que era um dos pontos mais poluídos da Baía, tinha uma ordem de 160 mil coliformes fecais por 100 mililitros. No último resultado do Inea (Instituto estadual do Ambiente), feito no mês passado, esse índice tinha caído para 5 mil, ou seja, caiu 32 vezes. Mas tem que ser pé no chão. Os resultados são ótimos, mas não pode deitar na glória e achar que está tudo pronto. O maior erro desse processo será o relaxamento", conta Victer.

A melhora na qualidade da água em Paquetá, segundo Victer, é reflexo da inauguração da Estação de Tratamento de Esgotos de Alegria (ETE), no Caju, em janeiro deste ano.

"Já houve uma melhoria grande. Vou botar uma elevatória em São Gonçalo e por um tubo lançado no fundo do mar vou trazer todo o esgoto de Paquetá para a estação de São Gonçalo. O investimento em Paquetá chega a R$ 20 milhões".

Mau cheiro recepciona o visitante  

Outro foco da despoluição é o Canal do Cunha, que deságua na Baía de Guanabara. Difícil não reconhecer o local. Quem desembarca no Rio pelo Aeroporto Tom Jobim, na Ilha do Governador, se depara com o mau cheiro característico da região.

"Aquele canal é muito importante para fazer a circulação de água para a Praia de Ramos, costa oeste da Ilha do Governador e parte interior da Ilha".

"Tem que ser pé no chão. Os resultados são ótimos, mas não se pode deitar na glória e achar que está tudo pronto. O maior erro desse processo será o relaxamento.

À frente do Instituto estadual do Ambiente (Inea), órgão responsável por liberar as praias para banho, Luiz Firmino  diz que a 'menina dos olhos' da Secretaria estadual do Ambiente é o programa chamado ‘pacto pelo saneamento’.

"Queremos chegar à casa dos 80% de águas limpas no estado".

Firmino garante que o lixo no Canal do Cunha já tem destino. "Vamos começar a retirar o lodo que está ali agora no final de setembro. Esse lixo será dragado e parte será ensacado e enterrado ali mesmo. A outra parte que não oferecer risco de contaminação será levada para alto mar", conta.

Casa flutuante

Uma casa flutuante que era ocupada pelo biscateiro Luiz Fernando Barreto de Queiroz Bispo continua no local. Em 2007, o morador foi notificado pela Fundação Superintendência Estadual de Rios e Lagoas (Serla) para deixar o local, mas o imóvel permanece no Canal.

Luiz Fernando construiu um quarto-e-sala com garagem, jardim com grama artificial e até hidromassagem sobre garrafas plásticas e isopor numa das áreas mais poluídas do Rio.

Praias próprias e impróprias

A gerente de qualidade ambiental do Inea, Fátima Soares, fez um balanço da situação das praias no último fim de semana. Veja abaixo quais próprias e impróprias para banho.

Próprias para banho: No Rio: Grumari, Prainha, Recreio, Barra da Tijuca (exceto o trecho do Quebramar e o Pepe) e Praia do Diabo. Em Niterói: Adão, Piratininga, Sossego, Camboinhas e Itacoatiara.

Recomendadas com restrição, ou seja, aprovada no exame bacteriológico, mas com restrição por causa de canais e saídas de águas pluviais: Barra de Guaratiba, Sernambetiba, São Conrado, Vidigal, Ipanema, Arpoador, Copacabana, Praia Vermelha e Forte de São João. Em Niterói: Boa Viagem, Eva e Itaipu. Na Ilha do Governador: Jardim Guanabara.

Não recomendadas: trecho entre o Quebramar e o Pepe na Barra da Tijuca, Joatinga, Leblon, Urca, Botafogo e Flamengo. Em Niterói: Gragoatá, Flechas, Icaraí, São Francisco, Charitas e Jurujuba. Na Ilha do Governador: todas impróprias, exceto Jardim Guanabara.

veja também