MENU

Risco de Mabel sofrer processo de expulsão 'é bem real', diz líder do PR

Risco de Mabel sofrer processo de expulsão 'é bem real', diz líder do PR

Atualizado: Sexta-feira, 28 Janeiro de 2011 as 10:15

O líder do PR na Câmara, deputado Lincoln Portela (MG), reconheceu nesta quinta-feira (27) o "desconforto" da cúpula partidária com a candidatura do colega Sandro Mabel (GO) à Presidência da Casa. Para Portela, a possibilidade de a Executiva Nacional do PR abrir processo de expulsão contra Mabel, caso ele não desista da disputa, "é bem real".

"Há um desconforto entre as lideranças do partido, provocado por esta situação do Mabel candidato a presidente. Alguns colegas têm dito que não entendem o porquê de o Sandro [Mabel] estar fazendo isso", afirma Portela.

Em uma reunião sigilosa nesta quarta-feira (26), o Diretório Nacional do PR decidiu autorizar a Executiva Nacional a discutir o futuro de Mabel.

Os integrantes da Executiva devem fechar questão contra a candidatura avulsa de Mabel e ratificar apoio ao candidato do PT, deputado Marco Maia (RS).

Se isso acontecer, Mabel será intimado a retirar seu nome da disputa. Caso desrespeite essa determinação, Mabel deve responder a processo e pode até ser expulso da sigla.

"O Diretório delegou poderes à Executiva para deliberar sobre três assuntos: a escolha da liderança da bancada, o cargo que o partido ocupará na mesa diretora e a questão em torno da Presidência da Casa", relata Portela.

Decisão

A reunião da Executiva do PR deve ocorrer entre esta sexta-feira (28) e o sábado (29). Questionado se o partido não estaria radicalizando ao ameaçar Mabel de expulsão, o líder Lincoln Portela reconhece que a chance de veto à candidatura de Mabel é real, mas afirma que o PR ainda não adotou metidas extremas.

"O partido ainda não radicalizou. A Executiva ainda vai se reunir para discutir a situação, mas a possibilidade é bem real de a Executiva fechar questão [contra a candidatura de Mabel]."

Desde que anunciou a decisão de concorrer ao comando da Câmara, Mabel desencadeou nos bastidores do partido uma onda de reuniões de colegas descontentes com a sua candidatura.

A possibilidade de expulsão ganhou corpo após o Diretório Nacional delegar poderes à Executiva para decidir a questão. Nos bastidores do PR, colegas de Mabel avaliam que o deputado goiano deve ter "alguma carta na manga muito poderosa" para motivá-lo a bater de frente com o partido.

O regimento interno da Câmara garante a Mabel o direito de disputar a presidência da Casa mesmo sem o apoio de seu partido. O problema é que o PR também prevê no seu estatuto a possibilidade de processar seus filiados por desrespeito a determinações partidárias.

Se for expulso, Mabel acumulará o prejuízo político de ter abdicado do cargo de líder do PR, que poderia ocupar até o final de 2012, e ainda será destituído do posto de presidente do Diretório Estadual do PR de Goiás.

Ciente do risco, Mabel permanece determinado a concorrer e segue a maratona diária de ligações telefônicas e visitas aos gabinetes dos colegas. Ele deve passar todo o fim de semana em campanha.

Na manhã desta quarta, em entrevista aos jornalistas o deputado goiano evitou afirmar que iria até o fim em sua candidatura, mas afirmou que considerava "difícil" o partido recomendar sua expulsão: "Você acha que um partido pode ameaçar um ex-líder por pressão? É legítimo uma casa aceitar um negócio desse? É difícil!".

Para expulsar Mabel, o PR terá de esperar o deputado goiano solicitar o registro de sua candidatura na Secretaria Geral da Mesa. Mabel tem até as 17h do dia 1º de fevereiro para oficializar a sua candidatura.

Por: Robson Bonin

veja também