MENU

Roberto Requião briga com presidente do PPS do Paraná

Roberto Requião briga com presidente do PPS do Paraná

Atualizado: Segunda-feira, 5 Julho de 2010 as 8:24

O ex-governador do Paraná Roberto Requião (PMDB) se envolveu em uma briga neste domingo com o presidente estadual do PPS e secretário geral do diretório nacional do partido, o ex-deputado federal Rubens Bueno.

Requião, por meio de sua assessoria, diz que houve um ''agarra-agarra'', enquanto Bueno afirma que deu um soco no ex-governador.

A confusão aconteceu no final por volta das 11h, quando os dois se encontraram no aeroporto de Campo Mourão (459 km de Curitiba).

Ex-governador foi agredido neste domingo pelo presidente do PPS local

Segundo Bueno, Requião começou a xingá-lo ao chegar no saguão do aeroporto. ''Ele disse que quando era governador tinha um monte de prefeitos o aguardando e que naquele momento só tinham aqueles bostas ali e apontou para nós'', afirmou o ex-deputado.

Bueno, 62, afirmou que, mesmo assim, Requião, 69, tentou cumprimentá-lo, mas em protesto não estendeu a mão.

''Ele [Requião] foi me chamando de filho da... E eu o atingi no rosto. Infelizmente, eu não gostaria que isso tivesse ocorrido, mas o Requião só faz política com falta de civilidade e agredindo todo mundo a sua volta'', disse Bueno.

No seu Twitter, Requião ironizou o episódio e criticou Bueno. ''Vou passar numa farmácia para me vacinar contra raiva de gata no cio.''

O PPS irá apoiar o ex-prefeito de Curitiba Beto Richa (PSDB) na disputa ao governo do Estado. Requião está na coligação que tem o senador Osmar Dias (PDT) como candidato.

Bueno, que já foi prefeito de Campo Mourão, disse que discutiu outras vezes com o ex-governador. Ele explica que estava no aeroporto esperando Richa para participar da festa chamada Carneiro no Buraco, ponto de romaria de políticos em época de eleição.

O ex-governador, que deixou o cargo em março, insinuou que também o agrediu. ''Estendi a mão para cumprimentar o 'Limpinho' [Bueno, cujo slogan do PPS no Estado é ''Voto Limpo''] que negou o cumprimento e tentou me arranhar como uma gata hestérica [sic]. Levou peteleco que merecia.''

O deputado, no entanto, nega que tenha sido agredido.

Por Dimitri do Valle

veja também