MENU

Ruído agora pode barrar veículo em inspeção ambiental em SP

Ruído agora pode barrar veículo em inspeção ambiental em SP

Atualizado: Sábado, 5 Fevereiro de 2011 as 12:12

Os motoristas começaram a enfrentar nesta semana mudanças na inspeção veicular em São Paulo que devem interferir diretamente nos resultados das vistorias de 2011.

A primeira é a análise de ruído como critério para reprovar. A aferição já vinha sendo realizada, mas apenas neste ano passou a ser suficiente para barrar os veículos que se submetem ao teste.

O limite de ruído fixado pela legislação varia dependendo do carro. Serão usados os dados de barulho fornecidos pelo fabricante.

Na ausência deles, a tolerância será extraída de uma tabela cujos valores variam entre 92 e 103 decibéis --semelhante ao ruído emitido por um cortador de grama.

Estimativas da Controlar, que faz a inspeção, indicam que menos de 2% da frota inspecionada é barulhenta. Mas essa proporção é suficiente para barrar mais de 60 mil veículos --equivalente à frota inteira de um município como Belford Roxo (RJ), com mais de 500 mil habitantes.

SEMINOVOS

Uma segunda novidade é a mudança no tempo de medição de poluentes em marcha lenta. O objetivo é atenuar distorções --incluindo as que atingiam alguns modelos de seminovos reprovados em seguidos testes.

Antes, a captação dos gases era feita num tempo de 30 segundos programado pelo equipamento. O problema é que esse período não era suficiente para estabilizar a medição em parte dos veículos.

Agora, houve uma reprogramação do aparelho para permitir um prazo adicional de até mais 30 segundos. A Controlar nega equívoco no procedimento anterior.

"É uma evolução natural do tempo. O programa no ano que vem terá outras modificações. A tendência é ficar cada vez mais justo com todo mundo", afirma Harald Zwetkoff, presidente da empresa.

Segundo ele, embora a alteração não seja voltada especificamente para os seminovos reprovados em 2010, ela tende a beneficiá-los.

LIMBO

Os limites de CO (monóxido de carbono) não mudam. As montadoras passaram a reivindicar alterações porque a lei permite a homologação de carros na fábrica com até 0,5% de CO.

Mas a vistoria, na prática, é mais rígida: só tolera até 0,3% para os fabricados desde 2006. O assunto segue sob análise no Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente).

Os contrários à mudança alegam que, na prática, apesar de a lei permitir mais, quase todos os veículos são homologados abaixo do limite exigido na inspeção.

A estimativa de técnicos da própria Controlar é que, em 2010, em torno de 10 mil veículos tenham sido reprovados com limites de CO entre 0,3% e 0,5% --limbo que é alvo do questionamento.

veja também