MENU

Sebrae vai lançar portal para pequenas empresas oferecerem produtos e serviços na internet

Sebrae vai lançar portal para pequenas empresas oferecerem produtos e serviços na internet

Atualizado: Segunda-feira, 9 Agosto de 2010 as 11:44

Criatividade é a palavra-chave para os pequenos empreendedores que desejam participar do comércio eletrônico e disputar clientes com os grandes varejistas presentes na rede (e-varejistas). A avaliação é do gerente de Acesso a Mercados e Serviços Financeiros do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio de Janeiro (Sebrae/RJ), Marcelo Weber. A unidade do Rio está desenvolvendo para o Sistema Sebrae uma Bolsa de Negócios voltada aos pequenos empreendedores. O novo portal abrigará empresas de todo o país, das áreas de comércio, indústria e serviços. Ali, as empresas farão ofertas e demandas de produtos e serviços. Em uma segunda etapa, que será lançada em 2011, o portal passará a ser também um local de negociações entre as próprias empresas.

Para os micro e pequenos empreendedores que desejam ingressar no comércio eletrônico, o e-commerce , o Sebrae/RJ desenvolveu uma cartilha denominada A Internet como Ferramenta de Negócios . “É uma cartilha explicativa, que mostra todo o be-a-bá para que a micro e a pequena empresa possam lançar-se no mundo virtual”.

Além disso, a entidade promove em todo o país, em conjunto com a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), palestras e seminários para capacitação de pequenos empresários para atuação no comércio virtual.

Segundo Weber, o comércio eletrônico tem crescido de forma acentuada entre os micro e os pequenos empreendedores. Ele destacou que os portais de lojas virtuais são uma boa alternativa para que esses empresários possam tornar seus produtos conhecidos e efetuar bons negócios, concorrendo com grandes redes que já operam na internet . “Mas, desde que focalizem o nicho certo de seus clientes”, advertiu.

Segundo o gerente do Sebrae/RJ, 70% do universo das micro, pequenas e médias empresas brasileiras ainda não estão no comércio eletrônico, nem desenvolvem qualquer tipo de ação ou de divulgação de seus produtos na internet . “Aquelas que pulam na frente, conseguem credenciar-se no [ buscador da web ] Google, deixar seu endereço bem aparente para eventual busca de produtos”.

Weber acredita que as lojas virtuais são uma boa saída para pequenos empreendedores brasileiros, como artesãos, por exemplo. Ele ressaltou, porém, que a opção pela internet deve ser feita de forma correta, gradativa e obedecendo a alguns pré-requisitos. “Os e-varejistas têm que ter uma boa logística para entregar os produtos e um sistema de relacionamento com os clientes por meio de e-mail ou marketing ou enviando informativos da empresa, para que os clientes voltem na sua loja virtual depois”.

Uma opção, segundo ele, é o pequeno empreendedor participar de um portal de lojas virtuais inicialmente, onde pode vender produtos e serviços e, uma vez tendo sucesso, migrar para o mercado livre e abrir o seu próprio site na internet .

“A pequena empresa tem que ter esse tipo de criatividade. Ela vai criar algo que não tenha no mercado, porque hoje você pode comprar na internet desde um livro até carros. Então, tem que ser usada uma forma criativa para você poder concorrer com uma grande empresa na web também. E dá para concorrer”, garantiu.

veja também