MENU

Sem acordo na Justiça, obras seguem paradas no Maracanã

Sem acordo na Justiça, obras seguem paradas no Maracanã

Atualizado: Terça-feira, 6 Setembro de 2011 as 10:57

As obras para a reforma do Maracanã seguem paradas nesta terça-feira (6). Durante a manhã, operários fizeram uma assembleia em frente ao estádio, na Zona Norte do Rio, e decidiram manter a paralisação. Na segunda (5), representantes dos operários e o Consórcio Maracanã participaram de uma audiência no Tribunal Regional do Trabalho, no Centro, que terminou sem acordo .

"O Consórcio não apresentou nenhum acordo e por esse motivo decidimos permanecer com a greve. Agora ambas as partes têm cinco dias para mostrar um nova proposta e aí sim uma nova audiência será marcada para tentarmos resolver esta situação", explicou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada Intermunicipal do Rio de Janeiro (Sitraicp), Nilson Duarte, nesta manhã.

De acordo com Nilson, o grupo está insatisfeito com a falta de médicos e com a alimentação no turno da madrugada, além do não lançamento das horas extras no contra-cheque. A paralisação, segundo o presidente do sindicato, segue por tempo indeterminado.

Procurada pelo G1 , a assessoria do Consórcio Maracanã Rio 2014 informou, através de nota divulgada na segunda-feira (5), que cumpriu todos os pontos do acordo firmado em 21 de agosto e disse também que será julgado o pedido do consórcio para que seja declarada abusiva a greve dos trabalhadores. Leia a nota na íntegra:

"Em audiência no prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho na tarde desta segunda-feira, ficou decidido que será julgado o pedido do Consórcio Maracanã Rio 2014 para que seja declarada abusiva a greve dos trabalhadores que atuam na obra do estádio. O consórcio esclarece que cumpriu todos os pontos do acordo firmado em 21 de agosto, entre eles o aumento, a partir de 1º de setembro, do valor da cesta básica de R$ 110 para R$ 160, o que é um incentivo à frequência ao trabalho, pago com base no mês trabalhado; plano de saúde individual para os trabalhadores (titulares), também a partir de 1º de setembro; e abono dos dias parados (17, 18 e 19 de agosto), sem desconto nos benefícios dos trabalhadores, o que foi integralmente pago no último dia 31 de agosto.

Apesar disso, uma nova paralisação foi iniciada na manhã do dia 1º, portanto, antes mesmo de os trabalhadores confirmarem o cumprimento dos itens acordados. O Consórcio Maracanã Rio 2014 também solicitou, na audiência, que o acordo do dia 21 de agosto e homologado pelo TRT seja anulado, já que foi ignorado e descumprido pelos trabalhadores".            

veja também