MENU

Sem citar Kassab, Sarney critica criação de 'partidos ocasionais'

Sem citar Kassab, Sarney critica criação de 'partidos ocasionais'

Atualizado: Segunda-feira, 21 Março de 2011 as 11:53

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), criticou nesta segunda-feira (21) a criação de “partidos ocasionais” para satisfazer projetos pessoais de políticos. Sem citar o nome do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, que deixou o DEM para fundar o PSD, Sarney afirmou que a reforma política em debate no Congresso deve garantir “estabilidade” aos partidos já existentes.

"Eu acho que a reforma política independe da extinção de partidos, da criação de partidos. O que nós queremos é justamente que tenhamos estabilidade na nossa área política com a reforma que devemos fazer. Uma das coisas que estamos querendo alcançar é que os partidos existam e existam definitivamente e não sejam partidos ocasionais", afirmou Sarney.     Kassab anunciou sua desfiliação do DEM em nota divulgada na última sexta-feira (18). Além dele, o vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, também pediu o desligamento da sigla. O prefeito de São Paulo deve começar a coleta de assinaturas para criar o Partido Social Democrático (PSD) nesta segunda, em um ato na Assembleia Legislativa de SP.

Obama

O presidente do Senado também elogiou a visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao Brasil. Para Sarney, “a visita do Obama abriu um novo capítulo nas relações Brasil/EUA e, ao mesmo tempo, demonstrou que os EUA não estão interessados apenas no Hemisfério Norte”.

Sarney elogiou ainda o discurso de Obama: “O discurso do Obama foi muito bom neste sentido porque ele falou várias vezes em parceria com o Brasil, em trabalharmos juntos, uma compreensão que os americanos não tinham. Eles tinham uma visão diferente do Brasil. Mas o Brasil hoje é outro, mudou completamente e nós, também, somos muito mais independentes do que éramos antigamente."

Votações

Sarney falou da pauta de votações do Senado. Disse que o plenário da Casa deve votar a Medida Provisória de concessão de franquias dos Correios, que tranca a pauta. Nesta semana, também deve ter andamento a tramitação da PEC, de autoria do presidente do Senado, que muda o rito das medidas provisórias na Casa.      

veja também