MENU

Senadores petistas queixam-se a Lula de falta de diálogo com Planalto

Senadores petistas queixam-se a Lula de falta de diálogo com Planalto

Atualizado: Quarta-feira, 25 Maio de 2011 as 9:30

Senadores petistas se queixaram da falta de diálogo com o Planalto durante almoço nesta terça (24), em Brasília, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segundo relatos da anfitriã do encontro, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), e do líder do partido no Senado, Humberto Costa (PT-PE)

Compareceram ao almoço 13 dos 15 senadores da bancada. O líder Humberto Costa, afirmou ao G1 que os senadores presentes reclamaram da dificuldade de articulação política com a equipe da presidente Dilma Rousseff. "Lula ouviu e acredito que vá repassar a demanda a Dilma, já que vai se encontrar com ela", disse Costa.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, afirmou que é "justa" a reclamação dos senadores por maior diálogo com o Palácio do Planalto. Segundo ele, a demanda será levada em consideração, e a Presidência tentará maior aproximação com o Congresso.

"É natural essa queixa. Estamos ouvindo com muito carinho. Nós vamos tratar de intensificar. Acho que é justo que os parlamentares tenham feito essa observação e vamos tratar de fazer o diálogo com os parlamentares, que é muito importante para nós", afirmou Carvalho antes de participar do lançamento do programa "Família para todos", voltado à adoção de crianças.

Os senadores petistas almoçaram na casa da senadora Gleisi Hoffmann (PR), mulher do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e discutiram também reforma política e eleições municipais de 2012. "Mas o centro da conversa foi o questionamento em torno da articulação política", relatou o líder Humberto Costa.

"A bancada se ressente da falta de contato, gostaria de uma reunião uma vez por mês com o Planalto. Acho que os senadores estavam acostumados com o estilo do Lula, que era mais aberto", disse Gleisi Hoffmann.

Palocci

Sobre o caso envolvendo o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, Costa disse que, assim como os demais petistas, Lula afirmou que não há nada "contundente" e nenhuma "acusação frontal" contra Palocci.

"Ele terá a oportunidade de explicar o que for necessário à Procuradoria-Geral da República e nós vamos continuar a defendê-lo", completou o senador.

A anfitriã do almoço disse que, para o ex-presidente, as denúncias envolvendo Palocci fazem parte de um "jogo político". "A avaliação de Lula é de que não há nada de ilícito. Criar uma CPI sem fatos é para desestabilizar e atingir a presidente", contou a senadora.

No último dia 20, a Procuradoria-Geral da República deu 15 dias para o ministro prestar explicações sobre sua evolução patrimonial. A assessoria da Casa Civil confirmou que recebeu o pedido da PGR na noite de sexta-feira e disse que Palocci pretende enviar as explicações já nesta semana.

* Colaborou Nathalia Passarinho, do G1, em Brasília

veja também