MENU

Serra admite preocupação com ausência de eleitores em feriado

Serra admite preocupação com ausência de eleitores em feriado

Atualizado: Segunda-feira, 25 Outubro de 2010 as 8:42

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, admitiu neste sábado (23) preocupação com a viagem dos eleitores no feriado prolongado e convocou a militância para convencer as pessoas a viajarem apenas após o voto. "Perca um feriado e ganhe um feliz ano novo", brincou ele durante um discurso em um clube de Araraquara, no interior de São Paulo. Serra esteve na cidade acompanhado do governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), do senador eleito Aloysio Nunes (PSDB), e do governador Alberto Goldman (PSDB).

"É muito importante as pessoas se darem conta da importância que tem essa eleição para o futuro do Brasil e adiarem um pouquinho a curtição do feriado. Em vez de viajar na sexta, viajem no domingo de manhã, depois de votar", pediu o candidato do PSDB. Durante os discursos, Serra e outros tucanos falaram sobre pesquisas eleitorais e citaram exemplos em que elas não refletiram com precisão o resultado das urnas.

Serra voltou a citar a agressão que sofreu durante um evento no Rio de Janeiro e disse não ser a primeira vez que vive momentos de tensão durante a campanha. "É um episódio a mais, porque episódios de violência têm ocorrido vários. O pior na questão do Rio de Janeiro foi a organização, porque estávamos fazendo uma passeata na rua e eles estavam organizados aguardando para não deixar passar. Isso que gera violência", afirmou.

Pouco depois do governador eleito Geraldo Alckmin discursar, um jovem subiu ao palco e começou a gritar. Ele foi retirado por seguranças e disse que estava protestando porque "não recebia aumento salarial desde 1994". O jovem se identificou como Nathan, de 21 anos, e afirmou trabalhar como secretário de uma escola estadual. Ele disse que um processo de promoção por mérito criado para os professores não beneficia outros funcionários. Alckmin minimizou o episódio. "Somos favoráveis à liberdade absoluta. Eu nem vi, mas não vejo nenhum problema [no protesto]", disse. Serra criticou o fato. "Imagine entrar um petista no meio de uma reunião para agitar. É à procura de encrenca."

Em relação a propostas de governo, Serra citou três projetos para a área social: elevar o salário mínimo a R$ 600, reajustar as aposentadorias em 10% e instituir o 13º pagamento do Bolsa-Família. O candidato afirmou que é possível compatibilizar esses aumentos com o Orçamento. "Isso é factível do ponto de vista orçamentário. Nós estudamos e tomamos a decisão desse anúncio com responsabilidade", disse.

Críticas

Serra disse durante o discurso que teme que os escândalos se banalizem. "Os escândalos agora já são dois ou três por dia. É realmente incrível", afirmou, em relação a seus opositores nas urnas. Ele disse que ainda não havia lido denúncias publicadas neste fim de semana pela revista "Veja". "Não me surpreenderia, mas eu ainda não vi a matéria, por isso prefiro não comentar, mas o uso da máquina do governo para atacar adversários com espionagem é comum, habitual neste governo", afirmou.

Segundo reportagem publicada pela revista "Veja", o secretário nacional de Segurança Pública, Pedro Abramovay, teria reclamado de supostos pedidos para a produção de dossiês feitos pelo chefe de gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho, e pela candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, quando ela ainda era ministra-chefe da Casa Civil.

De acordo com a reportagem, em uma conversa gravada com o ex-secretário nacional de Justiça Romeu Tuma Jr., Abramovay teria dito a seguinte frase: "Não aguento mais receber pedidos da Dilma e do Gilberto Carvalho pra fazer dossiês (...) eu quase fui preso como um dos aloprados". A revista não informou quem fez as gravações, mas afirma que os registros foram "gravados legalmente e periciados".

Por meio da assessoria de imprensa do Palácio do Planalto, Gilberto Carvalho afirmou que "jamais pediu qualquer coisa ao senhor Pedro Abramovay". Dilma Rousseff também negou que tenha pedido a elaboração de dossiês.

Por: Luciana Bonadio

veja também