MENU

Serra diz que precisa examinar leis para reformar a Previdência

Serra diz que precisa examinar leis para reformar a Previdência

Atualizado: Quarta-feira, 29 Setembro de 2010 as 3:44

Candidato afirma que prefere mexer na idade da aposentadoria, mas depois diz que afirmação foi 'questão de ênfase' O candidato à Presidência da República, José Serra (PSDB), disse hoje, duiante de uma plateia de servidores públicos, que preferiria mexer na idade com que as pessoas se aposentam do que no valor pago pela Previdência numa reforma previdenciária em seu eventual governo. “Eu, particularmente, em toda a questão previdenciária, quero refazer (a reforma) no Brasil de maneira realista, que funcione. Eu prefiro mexer muito mais na idade do que na remuneração. Essa é uma questão muito importante. Mas é algo que temos de examinar com abertura para fazer uma coisa séria. Do contrário, nós ficamos com um pé em cada canoa nessa matéria”, disse o candidato ao ser questionado sobre a reforma previdenciária em evento do Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado), em São Paulo.

Mais tarde, depois do evento, ao ser questionado sobre o mesmo assunto, Serra disse que a afirmação anterior foi “uma questão de ênfase” e que ele deve examinar as leis sobre o assunto para fazer a reforma previdenciária. “Eu sou a favor da aposentadoria integral para os funcionários públicos, que também não precisam se aposentar com 40 e poucos anos”, disse ele.

No evento, Serra reclamou do que chamou de aparelhamento do Estado por parte do governo Lula. Ele disse que há mais de 20 mil cargos de confiança na administração direta no governo federal. E afirmou ser um defensor dos concursos públicos e da meritocracia no funcionalismo público. “O Estado brasileiro precisa ser estatizado”, disse Serra, acrescentando que não existe mais a questão de que o Estado tem de ser mínimo. Segundo ele, a questão é que o Brasil precisa de um Estado forte. “Sem um Estado forte não vamos ter uma economia forte”, ilustrou. Nesse sentido, o candidato teceu críticas diretas aos Correios, que segundo ele está sendo destruído pelo governo Lula.

veja também