MENU

Sindicato orienta aeronautas a não aumentar ritmo de trabalho

Sindicato orienta aeronautas a não aumentar ritmo de trabalho

Atualizado: Quarta-feira, 5 Janeiro de 2011 as 9:49

Atrasos e cancelamentos de voos domésticos e internacionais causam transtornos a passageiros com viagens marcadas desde o início desta semana. Segundo boletim da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), a TAM é a companhia aérea com o maior número de voos com atraso. Dos 232 previstos pela empresa até as 9h desta quarta-feira (5), 66 (28,4%) registram atraso e dez (4,3%) foram cancelados.

Apesar de a companhia informar que opera normalmente, funcionários da TAM estão entre os orientados pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas a não exceder a jornada de trabalho prevista em lei, e não abrir mão de folgas para compensar atrasos e cancelamentos de dias anteriores.

“Nós cansamos de colaborar. As empresas aéreas não se prepararam para o crescimento e por isso nossas escalas mensais são constantemente alteradas, as folgas desaparecem, e há aeronautas com problemas inclusive de relacionamento familiar. Demos um basta. Não vamos fazer greve, mas demos um basta na colaboração. Estamos cumprindo apenas a lei”, diz ao G1 o presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, comandante Gelson Fochesato.

Os atrasos dos últimos dias foram justificados pelas empresas aéreas pelo grande fluxo de pessoas nos aeroportos e más condições meteorológicas em diversas partes do país. Segundo a assessoria de imprensa da Associação dos Tripulantes da TAM (ATT), não há nenhuma movimentação oficial de recusa na alteração de escalas de trabalho ou folgas por parte dos funcionários da empresa.

Os atos, segundo o Sindicato e a ATT, são voluntários de tripulantes insatisfeitos com o excesso de trabalho e ocorrem com aeronautas de todas as companhias aéreas. “Claro que há empresas que se preparam melhor. E outras que pressionam seus funcionários, como muitos denunciam, mas, em geral, essa decisão de só cumprir o que manda a lei ocorre com funcionários de todas as companhias”, afirma Fochesato.

Em nota, a TAM informou que "opera em segurança e com respeito à Lei do Aeronauta, com seus limites de jornada, horas mensais e folgas, e desconhece qualquer movimento como o relatado". A empresa afirma ainda que, no próximo dia 12, o sindicato das empresas deverá se reunir com os sindicatos dos aeroviários e dos aeronautas para, como acordado no dia 29 de dezembro, prosseguir a negociação de reajuste salarial.

Sobre os atrasos e cancelamentos dos últimos dias, a TAM afirma que "um conjunto de fatores dificultou a operação na volta do feriado".

veja também