MENU

Sociólogo diz que invisibilidade da "ralé" é problema grave do Brasil moderno

Sociólogo diz que invisibilidade da "ralé" é problema grave do Brasil moderno

Atualizado: Quinta-feira, 29 Outubro de 2009 as 12

A desigualdade social talvez seja o tema mais recorrente nas conferências, seminários e debates do 33º Encontro Anual da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs), que ocorre em Caxambu (MG).

O assunto, que se desdobra nas diferenças de classe, gênero, cor e idade, é, para alguns cientistas sociais, o principal problema a ser pesquisado na sociedade brasileira.

Essa é a opinião do sociólogo Jessé Souza, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), que está lançando, no evento, o livro A Ralé Brasileira (Editora UFMG), que organizou com artigos seus e de outros autores. ''A ralé é a grande questão esquecida. O Brasil não tem 500 problemas, mas um grande problema, que é essa desigualdade abissal do qual decorre mais de mil problemas'', afirmou.

De acordo com levantamento estatístico contido no livro, um terço dos brasileiros vivem sob condições precárias e excluídos sócio-culturalmente.

Para Jessé, o problema da ralé é ''a questão mais importante no Brasil moderno'' e está associado a outros problemas como a segurança pública, o trabalho informal, o racismo e o preconceito regional. Apesar da importância social que tem,  ''a desigualdade não é nem percebida enquanto tal. Nós a naturalizamos'', na avaliação do sociólogo. Ele, no entanto, acredita que esse pensamento não é algo racional, mas tem uma função mais eficiente justamente por ser ''pré-reflexivo''.

''As ideias estão dentro da cabeça para justificar nosso comportamento'', assinala. ''Queremos que matem a ralé, mas ninguém vai dizer 'eu odeio pobre, eles têm mais é que morrer'. O comportamento efetivo, a ação do brasileiro, porém, vai ser de bater palmas'', disse referindo-se ao episódio  em que um policial militar matou um homem que fazia uma mulher refém, em Vila Isabel, Rio de Janeiro, há cerca de um mês.

Segundo Jessé, a imagem do PM dando um tiro certeiro no homem - repetida várias vezes na televisão - dá margem a críticas à mídia brasileira que, para ele, ''é conservadora'' e pautada pelo interesse econômico. Na sua avaliação, a mídia reproduz um comportamento predominante no país, ''mesquinho, medíocre, avesso ao debate''.

O professor critica os seus pares, inclusive autores da sociologia clássica brasileira, como Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Hollanda, Raimundo Faoro, Fernando Henrique Cardoso, além do antropólogo Roberto Da Matta, que, na sua opinião, ''ajudaram a construir e perpetuar o mito da 'brasilidade', com conceitos sofisticados''. Para ele, a criação do mito foi extremamente eficiente, ''está em todas as células dos brasileiros. Ela é uma verdadeira cegueira [por meio da qual] nós possamos nos perceber e nos autocriticar''.

''A nossa ciência se construiu em continuidade e não em crítica. A ciência social foi montada para uma sociedade que é autoindulgente [tolerante com seus erros], que não é autocrítica'', opina. Em sua avaliação, ''o debate científico, assim como o debate público e do censo comum, é pobre e fragmentário e não capta a totalidade. É exatamente isso do que o dinheiro precisa''.

Além do mito da brasilidade e da baixa autocrítica, a sociedade também se caracteriza pela ausência de transformações políticas e revoluções sociais, segundo Jessé Souza. ''O Brasil é uma sociedade que se modernizou apenas economicamente. Não houve processo de aprendizagem coletiva por meio da luta'', diz o professor ao lembrar o processo que ocorreu na Revolução Francesa, no século 18, quando a ralé teve voz ativa, diferentemente da população brasileira excluída.

De acordo com ele, o livro também mostra como, em vez da luta, a ralé brasileira compartilha do consenso que legitima a desigualdade e a exclui. A importância do livro, na visão dele, é a possibilidade de reflexão. ?Não existe crescimento de sociedade sem autocrítica?, acredita Jessé.

veja também