MENU

Soldado é ouvido em audiência sobre mortes em aglomerado de BH

Soldado é ouvido em audiência sobre mortes em aglomerado de BH

Atualizado: Segunda-feira, 18 Abril de 2011 as 3:41

Um soldado que teria participado da operação militar que resultou na morte de duas pessoas no Aglomerado da Serra, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, é ouvido em audiência na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) nesta segunda-feira (18). O militar que dá a versão do crime nesta segunda-feira (18) à Comissão de Direitos Humanos foi solto no dia 16 de março por meio de um habeas corpus aceito pela Justiça. Diferentemente dos outros dois indiciados no caso, ele não foi denunciado por homicídio.

Os assassinatos aconteceram em 19 de fevereiro. Jefferson Coelho da Silva, de 17 anos, e Renilson Veriano da Silva, de 39, foram mortos à queima roupa, segundo laudo divulgado pela Polícia Civil. De acordo com informações da assessoria da ALMG, o objetivo desta audiência é apurar denúncias de que os policiais envolvidos no caso teriam cumprido ordens de comandantes do Batalhão de Rondas Táticas Metropolitanas (Rotam). A denúncia foi encaminhada para a Comissão de Direitos Humanos na quarta-feira (13) pelo advogado Domingos Sávio de Mendonça, que é diretor da Associação de Servidores do Corpo de Bombeiros e Policiais Militares de Minas Gerais (Ascobom).

Audiência

Ainda segundo a assessoria da Assembleia Legislativa, compareceram à audiência o corregedor da Polícia Militar (PM), coronel Herbert Souto Silva; o ouvidor da PM, Paulo Vaz Alckmin; o sargento da Rotam Jeando Gomes de Lemos; o diretor da Associação de Servidores do Corpo de Bombeiros e Policiais Militares de Minas Gerais (Ascobom ), tenente coronel Domingos Sávio de Mendonça; o coordenador da Comissão de Direitos Humanos da Associação das Praças da Polícia Militar (Aspra), subtenente Luiz Gonzaga Ribeiro; o coordenador do Departamento Jurídico e membro da Comissão de Direitos Humanos do Centro Social de Cabos e Soldados da Polícia Militar, Fábio Henrique Queiróz e o vereador cabo Júlio (PMDB).

Quatro pessoas que foram convocadas não compareceram à audiência e enviaram representantes, segundo a assembleia: o promotor de Justiça e Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça e Defesa dos Direitos Humanos e de Apoio Comunitário, Rodrigo Filgueira de Oliveira; o comandante da Rotam, tenente coronel PM Newton Antônio Lisboa Júnior; e o tenente Clayton José Santana e o sargento Giando Gomes de Lemos, ambos da Rotam.

Entenda o caso

Na madrugada de sábado (19), Jéferson Coelho da Silva, de 17 anos, e Renilson Veriano da Silva, de 39, foram baleados e morreram no Aglomerado da Serra, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Após as mortes, moradores e policiais entraram em conflito e três ônibus foram incendidados, dois no sábado (19) e um no domingo (20).

  Segundo informou a Polícia Militar, cerca de 20 pessoas estariam vestidas com fardas do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) no sábado (19), no Aglomerado da Serra e, com a chegada da PM, teria começado um tiroteio. Moradores do aglomerado contestam a versão policial. Eles dizem que não houve troca de tiros, mas sim, que os disparos teriam sido feitos apenas pelos policiais. Um laudo de necropsia feita por peritos do Instituto Médico Legal (IML), divulgado pela Polícia Civil na quinta-feira (24), dá conta que Jéferson Coelho da Silva e Renilson Veriano da Silva foram mortos com tiros de arma de grosso calibre. Os tiros teriam sido disparados à distância curta e no peito dos homens, segundo a Polícia Civil.

A Polícia Civil também investiga o caso e um Inquérito Policial Militar também foi aberto. O Ministério Público Estadual acompanha a apuração sobre as duas mortes.

De acordo com a Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte (Urbel), cerca de 50 mil pessoas moram no Aglomerado da Serra – aproximadamente 14,4 mil famílias. O aglomerado é o maior complexo de favelas de Belo Horizonte, e está localizado na Região Centro-Sul da capital perto dos bairros Santa Efigênia, Serra, Cruzeiro, entre outros. Ele é composto por seis vilas, Cafezal, Marçola, Nossa Senhora de Fátima, Nossa Senhora da Aparecida, Nossa Senhora da Conceição e Novo São Lucas.        

veja também