MENU

SP: Pai é acusado de estuprar filha de 7 anos em Mauá

SP: Pai é acusado de estuprar filha de 7 anos em Mauá

Atualizado: Quinta-feira, 2 Abril de 2009 as 12

Uma menina de 7 anos, vítima de estupro, está internada no Hospital Doutor Radamés Nardini, em Mauá (SP). O crime teria sido cometido pelo próprio pai, sábado, na casa em que moravam, no Jardim Zaíra.

Foi uma vizinha que vive com a família no mesmo quintal quem socorreu a criança. Ela desconfiou da atitude do autônomo J. C. E., 36 anos, de trancar toda a residência.

Ela se aproximou da janela da casa depois de ter escutado gemidos. A mulher disse à polícia ter flagrado o homem nu em cima da filha, também despida.

O caso foi parar na delegacia graças a um Policial Militar que estava no hospital e questionou a internação da menina. Ele foi em busca do pai da garota, encontrado em um bar do bairro.

E. negou o abuso. Ele contou que estava se masturbando enquanto assistia a um filme de sexo, e a menina estava distante, dormindo.

O pai alegou ainda que a filha acordou e sentou no mesmo sofá, mas que ele não percebeu a presença dela e continuou assistindo ao filme. Mais tarde, E. admitiu aos policiais ter manipulado as partes íntimas da garota. 

Saúde - O primeiro boletim médico sobre o estado de saúde da menina constatou a presença de esperma no corpo e escoriações na genitália.Ninguém da família foi localizado para comentar o caso.

E. está preso na cadeia pública de Santo André e será transferido para o centro de detenção de Mauá. A polícia ainda não sabe se foi a primeira vez que o homem atentou contra a filha.

Pedofilia - O pai biológico é a pessoa que mais abusa de crianças e adolescentes, e a preponderância é de vítimas do sexo feminino conforme levantamento feito pelo Crami (Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância do ABCD) baseado nos atendimentos prestados pela instituição.

Somente na semana passada, a polícia prendeu dois suspeitos de pedofilia na região. Uma das vítimas, uma adolescente de 15 anos, era abusada sexualmente há oito anos pelo padrasto. Outras duas meninas, de 6 e 9 anos, eram abusadas pelo padrinho. Os dois casos ocorreram em Santo André.

Isis Mastromano Correia

veja também