MENU

Suspeita de matar namorado seguia comunidade relacionada a mortes

Suspeita de matar namorado seguia comunidade relacionada a mortes

Atualizado: Segunda-feira, 16 Maio de 2011 as 11:49

A jovem suspeita de matar o namorado no motel, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, mantinha perfil em redes sociais e seguia comunidades como “Desista você perdeu ele para mim" e "Profile de gente morta". Segundo a polícia, a jovem costumava passar parte do tempo nessas redes na internet. E uma das últimas comunidades a que ela se associou foi: “As máscaras sempre caem".

A mulher de 18 anos é suspeita de matar o namorado enforcado em um motel, na madrugada de sábado (14), mas alega que agiu em legítima defesa. O corpo do empresário, de 33 anos, foi enterrado no domingo (15) no Cemitério Parque da Paz, em São Gonçalo.

De acordo com a polícia, o casal teria chegado ao motel por volta das 2h de sábado. Antes de chegar ao local, segundo relato da jovem, eles teriam ido até uma comunidade para comprar cocaína e maconha. Na versão da suspeita, só o namorado teria usado drogas. Já no motel, a jovem contou que ele teria tentado estuprá-la, e para impedi-lo, ela o teria empurrado e ele caiu no chão. Segundo a polícia, a jovem disse que o empresário não teria conseguido levantar, e num acesso de raiva, ela teria pego o cinto do rapaz e tentado enforcá-lo.

Em depoimento, a jovem teria confessado que enforcou o namorado e que, após constatar que saía sangue pela boca dele, ela percebeu que algo grave tinha acontecido.

Polícia investiga ameaças

A família e os amigos contam que a suspeitam já tinha feito ameaças contra o empresário. Antes do crime, ela teria ligado várias para o celular dele para marcar um encontro. A jovem estaria inconformada porque o empresário teria saído com outra mulher. "Ela só vivia ameaçando ele, direto. Ela dizia 'eu conheço muita gente, eu conheço bandido, conheço polícia", explica um homem que não quis se identificar. Outra mulher relata que a suspeita ligou vezes para a vítima. "Ela ligou pra ele na sexta-feira a tarde inteira, dizendo que se ele não fosse dela, não seria de ninguém".

Segundo a família, os telefonemas constantes da suspeita para o empresário foram o motivo da separação do casal.

A delegada que investiga o crime, Juliana Rattes, da 77ª DP (Icaraí), investiga se o crime foi premeditado. "A gente encontrou já diversas contradições, no depoimento dela, e contradições também com o que o perito do local também me informou. Se de fato a versão da família da vítima for verdadeira, a gente vai ter que considerar que ela foi realmente muito dissimulada", explica a delegada.

A Justiça decretou a prisão temporária da suspeita. Ela foi indiciada por homicídio qualificado por motivo fútil e tentativa de ocultação de cadáver, já que após enforcar o empresário, ela teria tentado arrastar o corpo para a garagem do motel, mas não teria conseguido.

A investigação aponta que a suspeita pagou a conta do motel e foi embora usando o carro do namorado. Ao chegar em casa, ela teria contado a história para a irmã, que é advogada. A irmã então, ligou para o motel perguntando se alguém havia socorrido o empresário. O estabelecimento chamou a polícia, e os agentes conseguiram localizar a jovem suspeita do crime.

Drogas no carro

Segundo a polícia, já na delegacia, a jovem alegou que sofria de síndrome do pânico e que faria uso de medicamentos controlados. A polícia informou que, segundo relatos da família da vítima, a jovem seria amante do empresário e teria sido pivô da separação dele.

Além do laudo pericial, a polícia deve ouvir outros parentes da vítima, para entender a relação dos dois. No carro do empresário, segundo agentes, foram encontrados resto de um cigarro de maconha e pó branco.        

veja também