MENU

Suspeito de causar morte de bebê no Rio diz que dirigia a 45 km

Suspeito de causar morte de bebê no Rio diz que dirigia a 45 km

Atualizado: Sexta-feira, 23 Setembro de 2011 as 4:12

Bebê de 1 ano e 8 meses morreu atropelado

em rua do Méier, na Zona Norte da cidade

(Foto: Reprodução/TV Globo)

  O professor de inglês suspeito de ter provocado o acidente que matou um bebê no Méier, na Zona Norte do Rio, e deixou a mãe dele ferida, disse na tarde desta sexta-feira (23)  na 24ª DP (Piedade) que, na ocasião do acidente dirigia a 45 quilômetros por hora, velocidade compatível com a rua, segundo informou o delegado Ronaldo de Oliveira.

O delegado disse que o suspeito informou que um carro entrou de repente em sua frente e ele tentou frear, mas devido ao chão molhado, uma vez que tinha chovido, não consegui evitar a batida. 

O acidente aconteceu no dia 14. Segundo a polícia, o suspeito teria atingido uma outra motorista, uma policial civil, que perdeu o controle e invadiu a calçada, atropelando a mãe e a criança, que estava num carrinho de bebê. Ainda de acordo com os agentes, a motorista do outro automóvel nada sofreu.

Segundo o delegado, o professor de inglês chamou socorro para as vítimas e no depoimento desta tarde se colocou à disposição das autoridade para outros esclarecimentos. Ele espera ouvir a mãe do bebê no início de outubro. Ela já teve alta do hospital.

Policial e testemunhas foram ouvidas

No dia 19, a policial civil chegou à delegacia, mas entrou sem falar com a imprensa. À saída, ela disse que veio apenas trazer o laudo do exame de corpo de delito e deixou o local apressada, dizendo ainda estar sentindo muita dor desde o acidente.

No mesmo dia, uma terceira testemunha prestou depoimento. Segundo o delegado, ela ratificou o depoimento de outras duas testemunhas do caso, informando que o carro do professor parecia estar em alta velocidade e, ao desviar de um veículo, bateu no carro da policial.

O delegado explicou que o professor de inglês esteve na delegacia no dia do acidente, para o registro da ocorrência, uma vez que ele chamou socorro para os feridos. Mas, segundo o delegado, ele usou do direito de ficar calado sobre o assunto, alegando que estava muito nervoso.

Ronaldo de Oliveira informou que tanto o professor quanto a policial poderão responder por homicídio. Ele vai aguardar o laudo pericial do local e pretende fazer um perfil dos dois motoristas através do levantamento das multas e infrações cometidas no trânsito.          

veja também