MENU

Suspeito de mortes participa de reconstituição do caso Oscar Freire

Suspeito de mortes participa de reconstituição do caso Oscar Freire

Atualizado: Sexta-feira, 9 Setembro de 2011 as 2:56

A Polícia Técnico-Científica de São Paulo começou por volta das 14h30 desta sexta-feira (9) a reconstituição do crime da Rua Oscar Freire, na capital paulista, segundo a Polícia Civil. Lucas Rosseti, de 21 anos, preso por suspeita de matar a facadas o analista de sistemas Eugênio Bozola, de 52 anos, e o modelo Murilo Rezende, 21 anos, participar da reprodução simulada que está sendo feita no local do crime por peritos do Instituto de Criminalística (IC), segundo seus advogados. Bozola e Rezende foram encontrados mortos no dia 23 de agosto, dentro de um apartamento dos Jardins. De acordo com o delegado Maurício Guimarães Soares, da Divisão de Homicídios do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), que apura o caso, a perícia vai reproduzir duas versões: a do suspeito e a da investigação policial.

“Lucas vai contar a versão dele. Vamos fazer com base nas informações versão simulada e cruzar com informações coletadas e provas técnicas periciais para tentar saber se há alguma mentira na versão do Lucas”, disse Soares ao G1 . O Ministério Público, que acompanha o caso, também deverá estar no local com a Polícia Civil.   Na versão de Rosseti, ele alega que matou Bozola para se defender. Em seu depoimento à polícia, o jovem contou que ele e o modelo foram dopados pelo analista. Quando acordou, ele afirmou ter visto Bozola esfaquear Rezende. Em seguida, disse que entrou em luta corporal com o analista, tomou a faca dele e o feriu para se defender. O motivo do crime não foi citado por Rosseti.

O DHHP aponta outra versão: a de que Rosseti matou Bozola e Rezende por causa de uma discussão envolvendo o tempo de permanência dele no apartamento do analista. Assim como o modelo, o jovem estava hospedado no imóvel e teria se recusado a sair após uma semana. A família dela mora em Igarapava, interior de São Paulo. Para a polícia, Rosseti dopou as vítimas antes de esfaqueá-las.

Depois do crime, Rosseti fugiu com o carro de Bozola até Sertãozinho, onde o veículo foi encontrado no dia 28 de agosto. O jovem foi detido pela polícia no dia seguinte. Posteriormente, foi levado a São Paulo, onde está preso temporariamente na carceragem do 77º Distrito Policial, em Santa Cecília.

Contra Rosseti, a investigação possui imagens de câmeras de segurança que mostram o jovem com as vítimas numa pizzaria e numa boate gay da capital paulista. Além disso, a polícia diz que o suspeito também roubou outros objetos de Bozola, um computador e um tênis.

O advogado Leonardo Borges acompanha o suspeito. “Lucas tem o maior interesse em colaborar com a investigação e mostrar sua versão para os fatos”, disse Borges.

Os laudos do Instituto Médico Legal (IML) sobre as causas das mortes do analista e do modelo ainda não foram concluídos. Eles irão apontar se as vítimas foram dopadas.

veja também