MENU

Tensão entre Dilma e centrais leva PSDB a tentar aproximação

Tensão entre Dilma e centrais leva PSDB a tentar aproximação

Atualizado: Segunda-feira, 14 Março de 2011 as 8:16

Enquanto a presidente Dilma Rousseff mantém uma relação turbulenta com as centrais sindicais no início de seu governo, dois dos principais líderes do PSDB aproveitam o momento para se aproximar do sindicalismo.

O governador Geraldo Alckmin, após colocar um sindicalista à frente da Secretaria do Trabalho de São Paulo (Davi Zaia, do PPS), iniciou conversas com centrais que representam categorias importantes no Estado.

Além disso, levou para o governo dois tucanos eleitos deputados estaduais, abrindo caminho para o sindicalista Ramalho da Construção (PSDB), presidente do sindicato da construção civil do Estado, assumir uma cadeira na Assembleia Legislativa.

Com as articulações, Alckmin busca aproximar-se principalmente da Força Sindical e da UGT (União Geral dos Trabalhadores). Na avaliação dele, é preciso reconstruir ligações que foram minadas no governo José Serra.

O esforço do governador em demonstrar boa vontade com os trabalhadores é tão visível que já rende piadas entre os sindicalistas: "É só convidar que ele aparece", disse um deles.

No último dia 25, por exemplo, Alckmin foi à cerimônia de posse da diretoria do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Campinas.

MINAS GERAIS

Em outra frente, o senador Aécio Neves trabalha em parceria com o governador Antonio Anastasia (ambos do PSDB-MG) para despontar como "o" interlocutor dos tucanos com o sindicalismo.

No Congresso, Aécio faz questão de escancarar a boa relação que mantém com o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), presidente da Força Sindical.

O "namoro" público estremeceu as relações da Força com a CUT (Central Única dos Trabalhadores), tradicionalmente ligada ao PT.

Artur Henrique, presidente da CUT, disse que Paulinho fazia um "leilão de si mesmo" e estava "louco para cair no colo do PSDB".

Em Minas, Anastasia foi mais longe e criou o Comitê de Assuntos Sindicais, trazendo o sindicalismo para dentro do governo.

"Isso é uma novidade imensa para Minas. Aécio tinha uma relação fria com os sindicatos e buscava muita articulação de bastidor. Anastasia abre o governo para o debate político", avalia o sociólogo Rudá Ricci.

Mas, de acordo com Ricci, as movimentações de Alckmin e Aécio/Anastasia não se limitam a simples estratégias de governo. "Elas refletem uma tentativa de reorganização do PSDB", diz.

Para o sociólogo, "eles perceberam que precisam se aproximar dos trabalhadores para não perder mais uma eleição nacional".

Porém, segundo o cientista político Leôncio Martins Rodrigues, amigo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, "a aposta dos tucanos a princípio não tem como prosperar, pois o PT ainda é um partido de sindicalistas".

Para ele, a aproximação "iria contra o passado dos dois partidos" e seria preciso que Dilma entrasse em "rota de colisão" com as centrais. "E ela teria que ser suficientemente boba para isso", diz.

Por Uirá Machado / Daniela Lima

veja também