MENU

Terreno em SP pode ganhar prédios; moradores querem praça

Terreno na rua Augusta em SP pode ganhar prédios; moradores querem praça

Atualizado: Quinta-feira, 15 Agosto de 2013 as 6

Terreno na rua Augusta em SP pode ganhar prédios; moradores querem praçaNa época em que a rua Augusta era revestida por um carpete colorido, nos idos dos anos 1970, o terreno no quarteirão entre as ruas Caio Prado e Marquês de Paranaguá já era disputado quase a tapa.
 
Quarenta anos depois, a área continua cobiçada: por empreiteiros, que planejam erguer ali dois prédios -um comercial e um residencial-; e pela vizinhança, que quer torná-lo um parque e preservar um dos últimos trechos verdes do centro de São Paulo.
 
Projeto para construção de torres na rua Augusta começa na segunda, diz empresário
 
O desfecho pode estar próximo. No domingo, vence um decreto municipal que transformou o quarteirão em área de utilidade pública.
 
O terreno de 24.752 m² já teve de colégio de freiras a tenda de shows e passou por mãos de japoneses e banqueiros.
 
Os únicos que nunca o deixaram foram jacarandás, seringueiras e ipês nativos da Mata Atlântica que, a exemplo de um pórtico na entrada, são tombados pela prefeitura e não podem ser removidos.
 
Os vizinhos batem o pé contra a ideia de o terreno se tornar um conglomerado de escritórios e residências.
 
"É uma das últimas áreas permeáveis na região central. Não podemos deixar que o concreto mande por aqui", disse Célia Marcondes, da Sociedade Amigos do Bairro de Cerqueira César.
 
A entidade organiza hoje uma vigília para "iluminar a mente" daqueles que estão debruçados sobre o tema.
 
A história do terreno começou em 1907, quando ali foi construído o Des Oiseaux, colégio feminino tradicional que teve como alunas Marta Suplicy e Ruth Cardoso.
 
Em 1974, o prédio foi demolido para que a área fosse vendida. O primeiro interessado veio do outro lado do mundo.
 
O grupo japonês Tejin decidiu erguer ali o "maior hotel do Hemisfério Sul", com mais de 50 andares. Não deu certo.
 
Em meados dos anos 1980, empresários montaram ali um "circo". O espaço abrigou shows e outras intervenções artísticas, mas problemas com a prefeitura o fecharam.
 
Desde 1996, a área é do ex-banqueiro Armando Conde, que, com as incorporadoras Setin e Cyrela, planeja erguer os prédios. O empreendimento pode começar na próxima semana, com o fim do prazo do decreto.
 
Esta seria a tristeza de Sérgio Carrera, membro fundador do grupo Aliados do parque Augusta. "[A prefeitura poderia] Aumentar o IPTU dos moradores da região para custear o parque. Tudo precisa ser feito para salvar essa área."

veja também