MENU

TSE nega recurso que pedia cassação do governador de RO

TSE nega recurso que pedia cassação do governador de RO

Atualizado: Quarta-feira, 17 Março de 2010 as 12

O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou, nesta terça-feira, o recurso que pedia a cassação do diploma do governador de Rondônia, Ivo Cassol, e de seu vice, João Aparecido Cahulla, por abuso de poder econômico e compra de votos na eleição de 2006.

Na sessão de hoje, os ministros Felix Fischer e Fernando Gonçalves acompanharam o relator da matéria, ministro Arnaldo Versiani, e o ministro Ricardo Lewandowski, que votaram pela rejeição da ação.

O presidente do TSE, ministro Ayres Britto, e a ministra Cármen Lúcia divergiram anteriormente do relator e se manifestaram pela cassação do governador e seu vice.

De acordo com o Ministério Público Eleitoral (MPE), Ivo Cassol teria participado de esquema de compra de votos de vigilantes, funcionários de empresa da família do ex-senador Expedito Júnior, nas últimas eleições gerais.

Ao ler hoje seu voto-vista, o ministro Felix Fischer disse que não viu, nos autos do processo, a participação, direta ou indireta, de Ivo Cassol em esquema de compra de votos na empresa Rocha Segurança e Vigilância, pertencente a um irmão do senador cassado Expedito Júnior.

De acordo com o ministro, para a caracterização da compra de votos, a jurisprudência do TSE exige participação direta ou indireta do candidato ou anuência ou conhecimento prévio.

Segundo o ministro, diferente do que ocorre em casos de abuso de poder, "é indispensável a prova que o acusado tenha relação com o ato". Ainda de acordo com o ministro Felix Fischer, é inquestionável que Ivo Cassol e Expedito Júnior "possuem laços políticos estreitos, contudo essa relação não é suficiente para fundamentar a afirmação de que tinham ciência da captação de votos".

veja também