MENU

Usuários buscam alternativas para driblar greve de ônibus na Zona Leste

Usuários buscam alternativas para driblar greve de ônibus na Zona Leste

Atualizado: Quarta-feira, 2 Fevereiro de 2011 as 12:51

Os usuários da Viação Himalaia que tentavam deixar a região de São Mateus, na Zona Leste de São Paulo, recorreram a coletivos de outras empresas para se deslocar na manhã desta quarta-feira (2) por causa da greve dos motoristas e cobradores que começou na tarde de segunda-feira (31).

O caminhoneiro João de Deus Pereira, de 52 anos, que aguardava um ônibus na Avenida Sapopemba, buscava uma alternativa para chegar ao Cambuci, na região central, onde tinha uma consulta médica. “Já estou aqui há cerca de 30 minutos e até agora não passou nenhum ônibus. Tenho uma consulta às 12h, mas acho que vou chegar um pouco atrasado”, afirmou. “Vou tentar uma lotação, qualquer coisa, mas não posso ir de pé porque tenho um problema na perna”, disse.   A diarista Nívia Oliveira dos Santos também estava em busca de uma alternativa para ir de São Mateus até o trabalho, na Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, também na Zona Leste. “Estou em busca de uma opção. Não sei ainda o que vou fazer para chegar ao trabalho. Tem cinco anos que sofro com essa empresa. O preço da passagem aumenta, mas a qualidade continua pior do que nunca”, afirmou.

Nesta quarta-feira, o movimento grevista, que começou na garagem 2, em Sapopemba, ampliou-se e atingiu 11 linhas de trólebus que partem da garagem 1, localizada no Tatuapé. Com isso, mais de 500 veículos da Viação Himalaia que fazem 45 linhas não circularam.

Entre 9h30 e 11h desta quarta, a reportagem do G1 percorreu as avenidas Celso Garcia, Sapopemba e Ragueb Chohfi. Os pontos de ônibus não estavam cheios nesse período. A SPTrans ampliou a ação do Paese, colocando 152 veículos para cobrir as 17 principais linhas prejudicadas pelo movimento grevista.   Nesta terça-feira (1), uma comissão de grevistas e representantes da Viação Himalaia chegaram a propor um acordo aos motoristas e cobradores. No entanto, o acordo foi rejeitado em assembleia e a categoria segue de braços cruzados por tempo indeterminado. Os funcionários temem que seus direitos trabalhistas não sejam assegurados uma vez que haverá mudança na composição societária da empresa.

Justiça do Trabalho

Na manhã desta quarta-feira, a São Paulo Transporte (SPTrans) afirmou, por meio de nota, que entrou com uma medida cautelar no Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT) informando que os trabalhos da Viação Himalaia “foram interrompidos sem justificativa”. O objetivo é que o TRT convoque as partes para uma reunião de conciliação.    

veja também