Vacina contra a dengue começa a ser testada em Campo Grande

Vacina contra a dengue começa a ser testada em Campo Grande

Atualizado: Segunda-feira, 31 Outubro de 2011 as 4:28

Doses serão aplicadas em 500 estudantes da rede

municipal de ensino (Foto: Reprodução/TV Morena) A vacina contra a dengue começa a ser testada nesta segunda-feira (31) em Campo Grande. A diretora de Vigilância em Saúde do município, Márcia Dal Fabbro, informou ao G1 que as doses serão aplicadas em 500 estudantes da rede municipal de ensino, com idades entre 9 e 16 anos.

A vacina será aplicada no Hospital Universitário. Os voluntários, que foram selecionados previamente para a pesquisa, serão acompanhados por uma equipe médica durante o tratamento. A diretora explicou que os voluntários receberão três doses, que devem ser dadas com intervalos de seis meses. “Se alguns dos voluntários tiver algum problema nesse período, poderá entrar em contato com um dos oito médicos da equipe, que estará de plantão”, explicou Márcia. A diretora informou ainda que a vacina, que  está sendo desenvolvida a partir das pesquisas de um laboratório na França,  já foi testada e está em processo de validação. "O objetivo é avaliar a produção de anticorpos e a defesa que os estudantes vão ter".

O teste será realizado em cinco capitais do Brasil, sendo Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Natal (RN) e Vitória (ES) e Campo grande (MS). Os dados serão analisados em conjunto com os de outros países latino-americanos e asiáticos, onde a dengue também é uma epidemia.

Casos

Em 2010, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) registrou 82.597 notificações de casos de dengue, sendo 56.076 casos confirmados. Em fevereiro, época de chuvas, 19 municípios eram considerados de risco alto para ocorrência de dengue.

Em 2011, o último levantamento, feito em outubro, apontou que o estado contabiliza 13.959 notificações. Oito municípios figuram na lista de risco alto de incidência da doença. Mortes

De janeiro a outubro, foram registradas quatro mortes em decorrência da dengue no estado, sendo três em Campo Grande e uma em Paranaíba, distante 413 quilômetros da capital.

Ainda segundo a secretaria, outras 3 mortes suspeitas de terem sido causadas pela doença, estão sendo investigadas.        

veja também