Verdades e mentiras sobre Lampião são debatidas em encontro no Cariri (CE)

Verdades e mentiras sobre Lampião são debatidas em encontro no Cariri (CE)

Atualizado: Terça-feira, 22 Setembro de 2009 as 12

O Cariri será transformado na ''capital do cangaço'', a partir de hoje, com a abertura à noite, no Teatro Salviano Arraes, nesse município, do Seminário Cariri Cangaço, que tem como tema ''Lampião no Ceará - Verdades e Mentiras''. A iniciativa é da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço, e das prefeituras municipais do Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha e Missão Velha, com o apoio do Instituto Cultural do Cariri (ICC) e Universidade Regional do Cariri (Urca).

''O envolvimento dos municípios no Seminário, além da importância histórica, é uma forma de integrá-los na Região Metropolitana do Cariri em torno de dois ícones da história nordestina: Lampião e o Padre Cícero'', justificou o coordenador do encontro, Manoel Severo. O cangaço, segundo Severo, se configura como um dos fenômenos mais intrigantes da história do povo nordestino.

Com uma duração de quase 80 anos, teve no Cariri um de seus principais cenários. As cidades do Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Jati, Jardim, Aurora, Porteiras e Missão Velha, fizeram parte dessa história. Por ocasião do Seminário, o ICC estará promovendo em parceria com a organização do evento uma exposição do acervo do escritor Hilário Lucetti, falecido este ano, autor do livro ''Lampião e o Estado Maior do Cangaço'', em parceria com o médico Magérbio Lucena. No mesmo local, serão expostos os exemplares da revista ''Itaytera'' que falam sobre o assunto.

Além das palestras, será cumprido um roteiro de visitas aos pontos que marcaram a presença do ''Rei do Cangaço'' ao Cariri, entre os quais a Fonte de Pendência, em Missão Velha, onde Lampião se arranchou, no caminho para Juazeiro do Norte; o Sítio Piçarra, em Brejo Santo, onde houve um confronto com a Polícia, durante o qual morreu o cangaceiro Sabino, um dos mais valentes ''cabras'' do grupo; as cidade de Porteiras e Barbalha, além de outros pontos turísticos da região.

Durante seis dias, de 22 a 27, serão discutidos os seguintes temas: ''Cangaço e Religiosidade''; ''Lampião: Nem Herói, Nem Bandido''; ''Os Marcelinos''; ''A Epopéia de Mossoró''; ''As mulheres e o Cangaço''; ''O Cangaço na Teoria Sociológica''; ''O Turismo e o Cangaço''; ''Lampião, Cangaço e Cordel''; ''Lampião no Agreste''; ''Poço Redondo e o Cangaço de Lampião''; ''O Cangaço sob o olhar da lei''; e ''Missão Velha e o Cangaço de Virgulino Ferreira''.

Símbolo de resistência

Para Severo, o Cariri se notabiliza por suas manifestações culturais, tradições e raízes que o tornam uma das regiões mais pesquisadas do Nordeste. ''É também um símbolo de resistência. Foi assim nos momentos de revolta e luta com a Insurreição de 1817 e a Confederação do Equador; na Baixa Dantas, com o Caldeirão do beato José Lourenço; e, em particular, em Juazeiro do Norte do Padre Cícero Romão Batista. Também assim foi no fenômeno do cangaço de Virgulino Ferreira da Silva, vulgo: Lampião''. Ao lembrar estes fatos, Severo justifica que o Cariri é o cenário ideal para este Seminário acontecer. 

O Cariri cearense, a partir das cidades de Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha e Missão Velha, irão receber as maiores autoridades sobre o tema cangaço, no Brasil. Pesquisadores, historiadores, escritores, ensaístas e cineastas estarão no triângulo do Crajubar, discutindo um dos fenômenos mais controversos da história do Nordeste brasileiro e suas implicações e ligações com a região.

O encontro se realizará nas três principais cidades do Cariri. ''Além das palestras, discussões e estudos do tema, oficinas, apresentações artístico-culturais e visitas técnicas aos principais cenários da história cangaceira no Cariri, se configurando como a maior mesa de debates itinerante do País sobre o fenômeno do cangaço'', garante o coordenador do encontro.

Estão confirmadas autoridades no tema como os pesquisadores Antônio Amaury Correa de Araújo, Napoleão Tavares Neves, Magérbio de Lucena, Leandro Cardoso Fernandes, Honório de Medeiros, Anildomá Williams, Jairo Luiz, Daniel Walker, Aderbal Nogueira, Ângelo Osmiro, João de Sousa Lima, Antônio Vilela, entre outros convidados ilustres.

Uma das atrações é escritor Antônio Amaury Correia de Araújo, um dos maiores pesquisadores da vida de Lampião e da história do cangaço. Há 60 anos em busca de informações sobre o assunto, realizou muitas entrevistas com pessoas da sociedade, do cangaço e das forças policiais da época e familiares remanescentes. Suas pesquisas minuciosas, diretas, imparciais, fazem-no um autêntico mestre, criterioso e honesto.

Nos anos 70, tornou-se conhecido em todo o Brasil ao participar do Programa 8 ou 800, da TV Globo, respondendo sobre o assunto. Tem vários livros publicados sobre o cangaço, entre eles: ''Lampião: Segredos e Confidências do Tempo do Cangaço''; ''Assim Morreu Lampião''; ''Lampião: As Mulheres e o Cangaço''; e ''Gente de Lampião: Dada e Corisco''.

veja também