"Vou levar 30 anos pra me comparar ao meu pai", diz Fiuk sobre Fábio Jr.

"Vou levar 30 anos pra me comparar ao meu pai", diz Fiuk sobre Fábio Jr.

Atualizado: Segunda-feira, 19 Abril de 2010 as 12

"Nossa, foi muito emocionante ouvir a galera gritando 'Fiuk, eu te amo!' no show. E eu tava abrindo pro meu pai, nunca imaginei isso', conta Fiuk, 19, para a repórter da Folha, na terça-feira passada, no Rio. O momento mágico em questão foi o show na sexta, dia 9, na cidade de Cubatão (SP). Sua banda, a Hori, havia se apresentado antes de seu pai, o cantor Fábio Jr.

Com a agenda "punk", sem tempo pra nada por conta das gravações de "Malhação ID", em que vive o protagonista Bernardo, e os shows com a Hori nos finais de semana, ele recebeu a reportagem da Folha durante dois dias. A primeira vez foi nos bastidores do "Altas Horas", em SP, e a segunda, quatro dias depois, no Projac, no Rio, onde ficam os estúdios de "Malhação".

Fiuk conta que fundou a banda aos 13 anos, quando começou a sonhar em ser vocalista. "Eu adorava a banda Blink-182 e me imaginava sendo o Tom, o vocalista", diz. "Eu brinco que meu coração não pulsa, ele toca notas [musicais]", prossegue, após passar o som com os companheiros Xande, Max, Fê Campos e Renam, no estúdio do "Altas Horas". "Sempre sonhei com isso, com a galera vibrando, cantando a minha música. Quero viver isso a vida toda. Quero morar no palco, vou colocar uma cama no palco."

"Olha eu aqui!", aponta para o papel com as fotos dos convidados do programa de Serginho Groissman, na porta do estúdio. "Mulheres, por favor", diz o cantor e ator de 19 anos, em um ato de cavalheirismo, segurando a porta para a repórter e a fotógrafa entrarem primeiro no local.

O jovem não é atencioso apenas com a reportagem. Ele cumprimentas todas as pessoas da produção da novela e do programa de Serginho Grosiman e atende todas as fãs com um sorriso no rosto. "Quando eu era menor achava que se um dia encontrasse meus ídolos eles nunca me dariam bola. E decidi que se um dia eu ficasse famoso eu iria tratar bem todos os meus fãs", fala.

Por isso, diz, a única coisa que o tira do sério é quando lê no Twitter ou em blogs alguém o chamando de "metido" ou falando para "ser humilde". "Eu sou muito cuidadoso, carinhoso com todo mundo. Quem me conhece sabe que não sou metido. Outro dia inventaram que eu cobro pra ir em eventos, dar entrevistas, que só ando de jatinho. É chato ver isso, nego faz por maldade, isso dói em mim. Acho que algumas pessoas se incomodam com a alegria de outras."

Durante a pré-estreia de "As Melhores Coisas do Mundo", no Rio, no dia 13, cerca de 20 fãs aguardavam Fiuk, um dos atores do longa de Laís Bodanzky que estreou na sexta-feira. A reportagem conversou com todas as meninas para saber o que elas realmente gostavam no novo ídolo. Todas responderam que, além da beleza, era a simpatia e o carinho. Para provar, mostravam as fotos tirada com Fiuk na frente do Projac ou em algum show da Hori. "Olha essa foto. Ele me emprestou o relógio que ele usa em Malhação para eu tirar a foto. Você acredita? Ele é muito legal!", diz Ana Beatriz, 17, do fã-clube Fiuk Seduction. As outras, dos fã-clubes Fiukólatras, Fiuk Obsession e Banda Hori, também mostram fotos que estampam "o carinho" do ídolo.

Por conta das gravações de "Malhação", o ator-cantor não conseguiu ir à pré-estreia.

Leia alguns trechos da entrevista com o novo ídolo adolescente:

QUANDO VIROU FIUK

"Quando eu tinha dez anos meu melhor amigo era o Tétio, filho do jardineiro. Ele era meu irmão mais velho. Um dia ele começou a me zoar porque eu não tinha apelido e me chamou de Fiuk. Aí começou e o apelido pegou"

SOBRE O PAI, FÁBIO JR.

"Não me acho tão parecido com ele. Acho que a gente se parece mais nos gestos [Fiuk fala "caramba" e "Dom" várias vezes, muito parecido com o pai. Já Fábio Jr. Já falou na TV "véio", expressão que o filho usa a toda hora] Ele é magrelo que nem eu. Não sei como ele conseguiu ser mais magro do que eu com 23 anos de idade. Ele pesava 56 quilos. Eu peso 61, um pouquinho mais, né? (risos)."'

"Nem me comparo ao meu pai. Vou levar 30 anos pra me comparar a ele."

AMIGOS

"Meus amigos mesmo são os caras da banda [Hori], dois amigões de fora da banda e minha namorada."

MÚSICA

"Tem som que eu não ouço, mas não vou entrar no meu Twitter e falar: eu odeio isso, isso aqui é muito ruim. Eu não gosto, mas ninguém precisa saber que eu não gosto.

"É hipocrisia falar que não baixo música. Óbvio que eu baixo, qualquer um baixa. Mas os discos dos meus ídolos eu compro. No momento tenho escutado Paramore, Incubus, John Mayer, Jamie Cullum, Jeff Buckley."

TRABALHO E FAMA

"Eu costumava dizer brincando pro meu pai: Um dia vou reclamar de boca cheia que não tenho tempo pra nada. Aí um dia comecei a contar tudo o que eu tinha feito: aconteceu isso, aquilo e ele bateu nas minhas costas e falou 'Lembra do que você me falava?' e começou a chorar. Ô pai e filho chorão."

"Eu sou assim, cara, do jeito que eu me mostro. Vou mentir pra quem? Independentemente de ser legal ou não o jeito que sou, sou assim. Não vou fazer tipo pra ninguém. Eu não deixo de fazer as coisas que eu gosto e não faço coisas que eu não gosto. Tipo, não vou nessas festas para ficar aparecendo, maior pagação. Não sou eu."

FIGURINO COLORIDO

"Eu era muito PB [preto e branco], era muito down. Aí na 'Malhação' me apresentaram um relógio colorido para o meu figurino. Olhei falei: não vai combinar. Aí falei, quer saber, essa é a minha nova fase, vou viver isso. Comecei a usar calça verde, vermelha. Quando estou feliz, pareço o arco-íris."

Por: Lígia Mesquita

veja também