MENU

2,9 milhões de PCs foram vendidos no Brasil

2,9 milhões de PCs foram vendidos no Brasil

Atualizado: Quarta-feira, 23 Junho de 2010 as 1:16

Já foram vendidos 2,9 milhões de computadores só no primeiro trimestre deste ano, aponta pesquisa do IDC. Este número representa um aumento de quase 40% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com o instituto, que prevê 13,2 milhões de PCs vendidos até o fim de 2010, com o que superaria resultado do ano passado em 20%. O segmento de usuários domésticos seguirá aquecido, porém o destaque deverá ser para o segmento corporativo, que mostrou forte recuperação já no início do ano, diz o IDC.

Do total de computadores comercializados no primeiro trimestre deste ano, 61% foram desktops e 39% foram notebooks.

O que mais chamou a atenção no estudo, de acordo com o IDC, foi a superioridade na venda de notebooks para usuários domésticos. “Pela primeira vez na história o segmento de usuário doméstico de notebooks foi maior, registrando pouco mais de 50% das vendas de equipamentos para o segmento”, afirma Luciano Crippa, analista do mercado de PCs da IDC.

Para o instituto, o crescimento no número de computadores comercializados deve-se principalmente ao momento econômico do país. “Em 2009 as empresas investiram 21% a menos em computadores.

Somente no primeiro trimestre deste ano, o segmento corporativo já vendeu 30% a mais quando comparado com o mesmo período do ano passado. Em 2010, esse setor já investiu mais do que em qualquer trimestre de 2009, informa Crippa.

Ainda de acordo com o analista da IDC, grande parte dos fabricantes de computadores espera ansiosamente a entrada do segmento de tablets no país.

“Mundialmente, esse mercado deve atrair muitos usuários a partir do segundo semestre de 2010, quando muitos lançamentos estão previstos, e isso deve aquecer ainda mais as vendas desta categoria de dispositivos. Até 2014, ano da Copa do Mundo no país, o mercado de PCs deverá crescer pelo menos dois dígitos no comparativo ano a ano, comprovando o grande momento do segmento de informática no Brasil”, finaliza Crippa.

veja também