MENU

A Rede Social abre Festival de Cinema de Nova York

A Rede Social abre Festival de Cinema de Nova York

Atualizado: Segunda-feira, 27 Setembro de 2010 as 1:52

Dirigido por David Fincher e estrelado por Jesse Eisenberg, Andrew Garfield e pelo cantor Justin Timberlake, A Rede Social gerou grande expectativa por trazer um retrato do estudante de Harvard que há sete anos revolucionou o mundo das comunicações.

O filme, que estreará nos Estados Unidos no dia 1º de outubro, mostra que "não se pode fazer 500 milhões de amigos sem fazer alguns inimigos". Segundo o diretor do festival, Richard Peña, "A Rede Social é um desses filmes excepcionalmente difíceis de se encontrar porque captura perfeitamente o espírito de seu tempo".

Outro destaque do festival é A Tempestade , dirigido por Julie Taymor, que já conquistou a crítica com filmes como Frida (2002) e Across the universe (2007). A Tempestade , uma adaptação cinematográfica da obra de William Shakespeare, é protagonizado pela vencedora do Oscar Helen Mirren, que encarna Próspera, a rainha de uma ilha mágica nesta "excitante mistura de romance, tragédia e fantasia". O Festival de Cinema de Nova York será encerrado com o thriller sobrenatural Hereafter , que tem Matt Damon no papel principal e é o último filme dirigido por Clint Eastwood, que faz sua quarta participação na mostra.

"Como é evidente de uma maneira tão bela em Hereafter , Clint Eastwood continua fazendo os filmes mais atrevidos e provocativos de todo os EUA", afirmou Peña. O premiado diretor de Menina de Ouro (2004) e Os Imperdoáveis (1992) será a estrela da noite de fechamento do festival, que terá em sua programação 28 filmes de 14 países.

Outro ponto alto da mostra será o documentário LENNONYC , de Michael Epstein, que conta como o ex-beatle "ressuscitou" em Nova York por meio de entrevistas com amigos do músico e imagens inéditas que formam um "revelador retrato dessa lenda da música". O NYFF também inclui vários filmes latino-americanos, como Gatos Viejos e Post Mortem , dos chilenos Sebastián Silva e Pablo Larraín, respectivamente; Somos o que há , do cineasta mexicano Jorge Michel Grau e Revolução , que inclui dez curtas-metragens sobre a revolução mexicana dirigidos por diferentes estrelas do país, como Gael García Bernal e Diego Luna.

  No ano em que se comemora o centenário da revolução mexicana e o bicentenário da independência do país, Revolução quer "gerar uma visão contemporânea" desse acontecimento histórico. O programa do Festival de Cinema de Nova York conta ainda com o retorno do francês Jean-Luc Godard, que apresentará Film Socialism , do britânico Mike Leigh, com Another Year , do português Manoel de Oliveira, com O Estranho Caso de Angélica , e do chileno Raúl Ruiz, com Mistérios de Lisboa , entre outros.

"Estamos especialmente impressionados pela audácia dos diretores este ano", disse Peña, que ressaltou que eles "entraram em novas áreas, experimentaram narrativas e foram além dos limites dos gêneros". Isso, na sua opinião, "evidencia a vitalidade de um meio que tantas vezes se rende a fórmulas e à repetição".

Postado por: Guilherme Pilão

veja também