MENU

Brasil já está mais 'na nuvem' do que o resto do mundo, diz pesquisa

Brasil já está mais 'na nuvem' do que o resto do mundo, diz pesquisa

Atualizado: Sexta-feira, 10 Junho de 2011 as 1:28

A adoção de serviços privados de computação na nuvem (cloud computing) por empresas no Brasil é maior do que a média mundial. De acordo com uma pesquisa da Avanade, joint venture formada entre Microsoft e Accenture, no país, a média de adoção é de 59% contra 43% do resto do mundo.

Para a pesquisa, foram entrevistadas 573 companhias de grande porte entre março e abril de 2011 em 18 países da América do Norte, América do Sul, Europa e Ásia-Pacífico. No Brasil, único país a participar da pesquisa, 40 empresas foram entrevistadas.

O estudo afirma 81% das empresas brasileiras irão investir em serviços na "nuvem", aumentando o orçamento para a área em 2012. Neste quesito, o país se manteve à frente da média mundial, que teve 55% dos entrevistados.

Entre o uso destes serviços pelas companhias brasileiras, 69% usa aplicativos de e-mail como Outlook Web Access e Lotus iNote webmail; 41% utiliza portais ou sites de colaboração como o SharePoint e o LaunchPad; e 50% usa serviços de apresentação e processadores de texto como Google Docs e Office 365.

Cerca de 72% das empresas consideram o cloud computing como solução de sua estratégia de TI, focando em aplicações de segurança (64% dos entrevistados), redes (45%), software (55%), armazenamento (45%), data center (55%) e virtualização (9%). Aproximadamente, 36% dos entrevistados irá investir na contratação de profissionais de TI.

Entretanto, a segurança é um dos principais fatores que impedem empresas de adotar o sistema de computação na nuvem. Cerca de 88% das empresas entrevistadas acreditam que serviços privados são mais seguros do que os serviços públicos.

Ainda, 54% das empresas bloqueia o uso de aplicações na nuvem por seus funcionários, principalmente webmail e streaming de vídeos. De acordo com o diretor de tecnologia da Avanade, Hamilton Berteli, uma em cada três empresas brasileiras que adota cloud computing volta atrás para usar aplicações "tradicionais".        

veja também