MENU

"Call of Duty: Black Ops" sofre mais censuras no Japão

"Call of Duty: Black Ops" sofre mais censuras no Japão

Atualizado: Quinta-feira, 4 Novembro de 2010 as 11:49

O Japão é um país curioso: ao mesmo tempo em que é possível encontrar jogos em que personagens aparecem nus ou são brutalmente assassinados, outros games sofrem cortes aqui ali. "Call of Duty: Black Ops" é um desses, e a Square Enix, responsável pela distribuição do título no país, anunciou algumas mudanças.

De acordo com a distribuidora, foi preciso fazer uma modificação e um corte no jogo. A primeira foi a substituição das suásticas (símbolo que representava o nazismo durante a Segunda Guerra Mundial) por cruzes de ferro no modo em que os jogadores enfrentam zumbis, enquanto o outro foi preciso para eliminar "expressões de brutalidade" em uma cena de tortura.

Essas não são as primeiras alterações feitas na versão japonesa do jogo. Em setembro, a Square Enix revelou que o game não teria mutilação em corpos, efeito ocorrido ao atingir o oponente com uma granada.

Conflito no Vietnã

"Call of Duty: Black Ops" narra as missões secretas que aconteceram durante a Guerra Fria, período de tensão entre Estados Unidos e a então União Soviética depois da Segunda Guerra.

O game conta com a colaboração de dois especialistas: major John Plaster, veterano do Grupo de Estudos e Observações (SOG na sigla em inglês), uma unidade de operações secretas liderada pela CIA durante a Guerra do Vietnã, e Sonny Puzikas, um membro das forças especiais da antiga União Soviética.

"Call of Duty: Black Ops" está em desenvolvimento para PlayStation 3, Xbox 360, PC, Wii e Nintendo DS, e chega às lojas em 9 de novembro.

veja também