MENU

Gastos on-line no Natal devem subir 3% nos EUA, diz comScore

Gastos on-line no Natal devem subir 3% nos EUA, diz comScore

Atualizado: Quarta-feira, 25 Novembro de 2009 as 12

No title A comScore afirmou na terça-feira (24) que espera que os gastos on-line de Natal nos Estados Unidos aumente 3%, e a empresa de análise mencionou um começo positivo para a temporada de compras de Natal na internet.

O total gasto on-line no período de dois meses, a partir de novembro, deve chegar aos US$ 28,8 bilhões, ante os US$ 28 bilhões em 2008, informou a empresa. No período de festas do ano passado, os gastos na internet caíram 3%.

Pesos-pesados do varejo on-line Amazon.com e Wal-Mart já começaram uma guerra de preços em seus sites, oferecendo grandes descontos em itens como livros novos, em uma tentativa de atrair participação de mercado durante a época de Natal.

Nos primeiros 22 dias da temporada de compras de novembro-dezembro, o consumidor norte-americano já gastou US$ 8,21 bilhões na internet, 2% a mais que os 8,03 bilhões registrados um ano antes.

O presidente do conselho da comScore, Gian Fulgoni, disse em comunicado que a temporada de compras de Natal teve "um bom começo". "Mesmo assim, os gastos na internet neste Natal provavelmente serão temperados pela realidade nua e crua de uma taxa de desemprego de 10% e menos renda a disposição na carteira de muitos consumidores", acrescentou.

Apesar da melhora ao longo do ano, os resultados ficarão bem abaixo das taxas de crescimento de 20% ou mais vistas nos últimos anos. Muitos consumidores preferem fazer compras on-line do que ir até as lojas para comparar preços, buscar pechinchas e evitar viagens até o shopping center.

No começo do mês, a comScore afirmou que a tendência para vendas do terceiro trimestre era a mesma que do ano passado, sem crescimento. A empresa disse ainda que os resultados do quatro trimestre seriam positivos, mas apenas devido às boas comparações com o ano anterior e não porque haverá um fortalecimento dos gastos de consumidores.

Há um ano, consumidores diminuíram muito seus gastos em meio à crise econômica global.

veja também