MENU

Google pede desculpas por mostrar imagem racista de Michelle Obama

Google pede desculpas por mostrar imagem racista de Michelle Obama

Atualizado: Quarta-feira, 25 Novembro de 2009 as 12

O Google divulgou nesta terça-feira, 24, uma mensagem na qual pede desculpas pelos resultados ofensivos após buscas por termos como "judeu" ou "Michelle Obama", incluindo uma imagem que caracteriza a primeira-dama dos Estados Unidos como um macaco.

Por meio de uma mensagem que aparece na área reservada a anúncios patrocinados nos resultados da busca por imagens de Michelle Obama, o Google lamenta que seu buscador possa mostrar conteúdos ofensivos, mas acrescenta que não retirará nenhum deles.

"Às vezes, as buscas do Google podem produzir resultados perturbadores, inclusive quando os pedidos são inofensivos", diz a companhia ao assegurar que não apoia as opiniões expressadas por esses conteúdos.

A imagem ofensiva da primeira-dama causa polêmica desde a semana passada

A imagem ofensiva da primeira-dama causa polêmica desde a semana passada, quando o Google alegou que a página que a abrigava era uma fonte de vírus para os usuários e decidiu retirar o link correspondente de seus resultados de busca.

Porém, a imagem não demorou a reaparecer hospedada em um novo servidor, e se tornou o primeiro resultado que aparece na busca por imagens de Michelle Obama, algo que a companhia afirma não poder controlar.

"A posição de um site na classificação de resultados do Google depende fundamentalmente de algoritmos de busca, que usam milhares de fatores para calcular a relevância de uma página em relação a uma demanda particular", explica o comunicado.

A companhia ressaltou que sua maior prioridade é a "integridade dos resultados de busca", e por isso descarta "eliminar páginas de resultados simplesmente porque seu conteúdo seja impopular ou porque recebamos queixas a respeito".

"Só eliminaremos as páginas se acharmos que o site viola nossas regras de uso, se acharmos que a lei nos obriga a isso ou sob pedido do responsável da página em questão", acrescentou.

Um comunicado similar aparece após a busca por páginas que contenham a palavra "jew" ("judeu", em inglês), em relação a um resultado que alude à negação do Holocausto.

"Se você usou o Google ultimamente para buscar a palavra 'judeu', é provável que tenha encontrado resultados muito inquietantes", diz a mensagem da empresa, que oferece as mesmas explicações do caso da imagem da primeira-dama dos EUA e descarta a possibilidade de dar sequência ao assunto.

"Às vezes, as sutilezas da linguagem provocam o aparecimento de anomalias que são imprevisíveis", acrescenta.

"No caso de 'judeu', isso ocorreu porque (o termo) é usado em muitas ocasiões em um contexto antissemita", algo que, segundo a empresa, não ocorre com os termos "judaísmo" ou "judeus", no plural.

veja também