MENU

Grupo usa site de leilões on-line para roubar internautas

Grupo usa site de leilões on-line para roubar internautas

Atualizado: Segunda-feira, 30 Novembro de 2009 as 12

A Polícia Civil investiga a ação de quadrilhas suspeitas de usar um site de leilões on-line, que faz intermediação de compra e venda de produtos entre terceiros, para aplicar golpes. As vítimas acessam páginas que acreditam ser de vendedores de confiança e fazem o depósito bancário. Horas depois da confirmação da compra, o vendedor desaparece e o produto não é entregue. A coordenação do site também apura as denúncias.

Os golpistas clonam a conta de vendedores que receberam classificações positivas e selos de graduação, sistema de orientação de compradores que leva em conta transações já realizadas. Nas páginas, são oferecidas mercadorias geralmente com o preço um pouco abaixo do das lojas. A 4ª delegacia de delitos cometidos por meios eletrônicos do departamento de investigação sobre o crime organizado (Deic) concentra as ocorrências, mas não divulga números. A reportagem recebeu 12 reclamações do tipo.

Há casos em que os golpistas são rastreados pelo site de leilões on-line e os clientes recebem mensagens do site para não confiar neles. Foi o que ocorreu com o consultor jurídico Marcelo Cardoso, de 35 anos. Em outubro, ele comprou um netbook por R$ 691, mais R$ 40 pelo frete. O vendedor, que se identificava como Cleodinei, tinha qualificações positivas. Após Cardoso depositar a quantia, recebeu mensagem do site: ''Demos início a um processo de investigação sobre o usuário Cleodinei. Aconselhamos que não dê continuidade à transação''.

''Tentei falar sem sucesso com o vendedor e depois vieram mais ou menos seis e-mails do site de leilões, dizendo para não avançar nas negociações pois o vendedor estaria sob suspeita. Só que já era tarde''.

Segundo o delegado Antônio Carlos Menezes Barbosa, da divisão de investigações sobre infrações contra o consumidor, queixas sobre compras na internet são constantes no departamento, criado em maio. O acusado pode responder por estelionato (que varia de 1 a 5 anos de detenção) e publicidade enganosa (de 3 meses a 1 ano de prisão).

A assessoria de imprensa do site informou que os casos serão analisados e cada usuário será procurado para esclarecer as suas dúvidas. A coordenação do site diz ter diversas ferramentas para impedir os golpes. As informações são do Jornal da Tarde.

veja também