MENU

HP reformula comando e busca crescer na China e Índia

HP reformula comando e busca crescer na China e Índia

Atualizado: Terça-feira, 14 Junho de 2011 as 1:13

O presidente-executivo da HP, Leo Apotheker, assumiu o comando em setembro (Foto: AP)

  A HP indicou uma executiva veterana para seu conselho de administração e anunciou a saída de dois diretores, como parte da reformulação do comando da empresa. Ao mesmo tempo, a HP informou que o novo foco da companhia está na Índia e na China.

O presidente-executivo Leo Apotheker, que assumiu a maior fabricante mundial de computadores em setembro, está sob pressão para reverter a situação da HP, que luta para manter sua posição no setor de tecnologia. Em maio, a empresa reduziu sua projeção de faturamento pelo segundo trimestre consecutivo.

Mudanças

Ann Livermore, responsável pela divisão empresarial da HP, foi indicada para o conselho de administração e deixará suas atuais funções na divisão, informou a companhia na segunda-feira (13). Todas as unidades que interagem com consumidores – entre as quais software, vendas, servidores e armazenagem – passarão a se reportar diretamente a Apotheker.

O novo presidente-executivo também está renovando esforços para conquistar mais participação de mercado na China e na Índia, regiões vistas como "críticas" para o sucesso. Todd Bradley, que comanda o grupo de sistemas pessoais da HP, também terá como foco a expansão da empresa na China, enquanto Vyomesh Joshi, responsável pelo grupo de impressão e imagem, responderá pelo esforço na Índia.

Livermore, veterana com 29 anos de HP, recentemente teve suas funções divididas quando Apotheker decidiu reformular a estrutura da problemática divisão de serviços, fazendo com que se reportasse diretamente a ele. Livermore manteve o comando provisório da unidade enquanto a HP buscava um novo executivo para liderá-la.

A maior companhia mundial de tecnologia em termos de faturamento enfrenta concorrência recente da Cisco Systems e da Oracle. Apotheker, em março, prometeu que o faturamento e o lucro da empresa subiriam acentuadamente com o ingresso em novos setores como a computação em nuvem.          

veja também