MENU

IE perde mercado em alguns países após escolha de browser na Europa

IE perde mercado em alguns países após escolha de browser na Europa

Atualizado: Terça-feira, 23 Março de 2010 as 12

O Internet Explorer perdeu três vezes mais mercado que o de costume em alguns países europeus desde que a empresa passou a exibir uma tela para escolha do navegador, informou uma empresa de métricas da web. Dados consolidados da Europa, contudo, mostram que a participação da Microsoft manteve-se essencialmente estável, uma mudança significativa diante do declínio detectado nos últimos 12 meses.

A tela de escolha foi incluída no Windows usado na Europa por meio do Windows Update - a instalação começou em 1.º de março. A seleção foi uma exigência imposta por um acordo entre a Microsoft e os reguladores antitruste da União Europeia, e aparecem nos PCs com Windows onde o IE é configurado como browser padrão. Os usuários podem escolher baixar e instalar 11 rivais, incluindo Chrome, Firefox, Opera, Safari e outros.

Mais que a média De acordo com a empresa de métrica StatCounter, a participação de mercado do IE caiu duas ou três vezes mais que a média de declínio de 1% em diversos países, como França, Alemanha, Itália e Reino Unido, desde 1.º de março. Na França, por exemplo, o IE caiu 2,4 pontos porcentuais desde o fim de fevereiro.

Enquanto isso, o Firefox ganhou 1,2 ponto e o Google Chrome, 0,8 ponto. Os dois números estão acima da média; os ganhos mensais de cada navegador tem sido de 0,4 ponto por mês durante o ano passado. Outros países europeus onde o IE perdeu espaço foram a Alemanha, onde o navegador caiu 0,9 ponto porcentual; Itália, onde caiu 1,3 ponto; e Reino Unido, onde a queda foi de 0,9 ponto.

Opera, o navegador que deu início à ação antitruste da União Europeia quando a empresa se queixou aos reguladores em 2007, também ampliou sua fatia de mercado nesses países, com aumentos variando entre 0,05 ponto (no Reino Unido) a 0,13 ponto (na Alemanha). No continente, contudo, a participação do IE caiu apenas 0,05 ponto porcentual - bem menos que o declínio médio mensal de 0,33 ponto detectado nos últimos 12 meses.

veja também