MENU

Internet tem mais de 205 milhões de domínios registrados

Internet tem mais de 205 milhões de domínios registrados

Atualizado: Sexta-feira, 1 Abril de 2011 as 3:33

A base global de nomes de domínios na Internet cresceu cerca de 3,5 milhões no quarto trimestre de 2010, de acordo com o mais recente Dossiê Sobre a Indústria de Domínios na Internet, publicado pela Verisign, fornecedora de serviços de infraestrutura de Internet para o mundo conectado.

No encerramento do quarto trimestre de 2010, a base de nomes registrados entre todos os Domínios de Primeiro Nível (TLDs) alcançou 205,3 milhões, o que representou um aumento de 1,7% em comparação ao terceiro trimestre. Os registros tiveram um aumento de 12,1 milhões ou 6,3% em comparação com o ano anterior.

A base combinada de nomes de domínios .com e .net da Verisign atingiu aproximadamente 105,2 milhões ao fim do quarto trimestre. Novos registros de domínios.com e .net somaram 7,6 milhões no trimestre, um aumento de 4% em relação ao mesmo período do ano anterior. A taxa de renovação de domínios .com/.net, no quarto trimestre foi de 72,7%, uma queda em comparação aos 72,8% do terceiro trimestre.

A base de Domínios de Primeiro Nível com Códigos de Países (ccTLDs) alcançou 80,1 milhões, um aumento de 0,3% sobre o ano anterior. A média de consultas diárias ao Sistema de Nomes de Domínios (DNS) da Verisign durante o quarto trimestre de 2010 foi de 61 bilhões, com picos que chegaram a 72 bilhões. Em comparação ao mesmo período de 2009, houve um crescimento de 17% tanto na média quanto no pico de consultas diárias.

O Despontar da Era IPv6 O último Dossiê Sobre a Indústria de Domínios na Internet também destacou duas grandes mudanças no sistema de endereços na Internet: a introdução de novos Domínios Genéricos de Primeiro Nível (gTLDs) e o avanço do IPv6. O processo que vai acrescentar potenciais centenas de novos gTLDs ao sistema de nomeação é extremamente importante.

Embora a data de lançamento continue incerta, a Corporação para Atribuição de Nomes e Números na Internet (ICANN) está prestes a concluir seu planejamento e possivelmente começará a analisar as solicitações em meados do ano. Talvez no início de 2012, poucos meses após o lançamento, os usuários de Internet já possam contar com um leque sem precedentes de Domínios de Primeiro Nível, desde os comerciais como .shop e .bank aos geográficos como .nyc e .london.

A segunda mudança será menos visível para os usuários comuns da Internet, mas tem potencial tão profundo quanto a primeira. Os provedores de acesso e infraestrutura, operadoras de serviços e provedores de conteúdo estão se preparando para a implantação do Protocolo de Internet versão 6 (IPv6). O IPv6 foi projetado para substituir o veterano Internet Protocol versão 4 (IPv4). As partes interessadas devem facilitar esse processo, isto é, preparar-se para a coexistência de ambos os protocolos em redes e sistemas ao longo da transição.

Por quase duas décadas, os tecnólogos trabalharam na concepção do protocolo que viria a ser o IPv6. Muito antes da publicação do padrão para IPv6, em 1998, os operadores de infraestrutura sabiam que o tempo estava passando para o IPv4, uma vez que sua tecnologia de endereçamento 32 bits não acomodaria a expansão contínua e exponencial da Internet.

Este ano porém o relógio finalmente chegou ao zero, com os últimos endereços de IPv4 disponíveis dentro do pool da Internet Assigned Numbers Authority (IANA), alocados em fevereiro, esgotando de vez as solicitações de “novos” endereços IPv4. Apesar dos Operadores de Registros Regionais da Internet (RIRs) que fornecem endereços IP para ISPs ainda terem endereços IPv4 em seu estoque, que em alguns casos poderia durar mais alguns anos, nenhum endereço de IPv4 “novo” pode ser criado.

A Verisign prepara a infraestrutura crítica de Internet sob seu comando para a adoção do IPv6 em rápida escala, os recursos completos, paridade de capacidade com o IPv4 e a esperada coexistência com os defasados IPv4 em breve. A companhia investiu pesado para assegurar que sua rede esteja apta a suportar o IPv6.

A empresa pode processar consultas do novo protocolo de Internet na camada de rede e dar suporte a extensões de IPv6 no próprio DNS há vários anos, além de se comprometer a expandir continuamente seus recursos e sua capacidade para esta mudança, satisfazer e superar a necessidade global. Agora a corporação quer compartilhar esta experiência com outras operadoras de infraestrutura, à medida que elas preparam suas redes para o IPv6. Com este trabalho conjunto, 2011 será o ano em que as iniciativas pela estabilidade, segurança e crescimento da Internet serão expressivas.      

veja também