MENU

Microsoft não punirá desbloqueio do Win Phone 7

Microsoft não punirá desbloqueio do Win Phone 7

Atualizado: Terça-feira, 18 Janeiro de 2011 as 3:34

Três jovens que conseguiram desbloquear, na Espanha, o novo sistema operacional da Microsoft para smartphones, o Windows Phone 7, foram convocados pela empresa para uma reunião esta semana.

Os desenvolvedores Raphael Rivera, Chris Walsh e Long Zhen descobriram uma vulnerabilidade no sistema móvel e criaram um método que explora a falha para rodar aplicações não-autorizadas.     De certa forma, é possível comparar o feito do trio espanhol ao trabalho do grupo iPhoneDev, responsável pelo desbloqueio - ou jailbreak - do iPhone.

Segundo o jornal El País, a Microsoft decidiu chamá-los para um conversa para “explorar sua criatividade” e não tentará punir os jovens. A ideia é analisar as possibilidades de permitir rodar aplicativos caseiros no Windows Phone 7.

Esta atitude é diferente, por exemplo, das medidas anunciadas por Apple e Sony contra os hackers que abriram o iPhone e o PlayStation 3 respectivamente. Para estes fabricantes, é preciso punir os hackers e determinar como ilegal a quebra de proteções de software.

Atualmente, desenvolvedores interessados em criar aplicações para a plataforma Win Phone 7, podem fazê-lo livremente, desde que o submetam ao crivo da  loja de aplicativos Windows Phone Marketplace, que oferece programas pagos e gratuitos nos mesmos moldes da App Store, da Apple, ou Android Market, do Android.

A novidade em não punir o jailbreak seria permitir que hackers abrissem o Windows Phone e criassem aplicativos variados para a plataforma, sem controle da Microsoft.

Esta experiência revelou-se positiva para a Microsoft quando a companhia decidiu não punir os desenvolvedores que criassem aplicações hackeando o Kinect. O sensor de movimentos criado originalmente para games no Xbox ganhou aplicações experimentais curiosas, como seu uso por pacientes com mobilidade deficiente, controle remoto de aeromodelismo e até um simulador sexual.    

veja também