MENU

O pai do ringtone

O pai do ringtone

Atualizado: Quarta-feira, 10 Novembro de 2010 as 11:04

Um simples toque de celular deu dor de cabeça para o sul-africano Ralph Simon, de 63 anos. Em 1999, ele criou o primeiro ringtone comercial e teve que brigar com as gravadoras, que não aceitavam a novidade. Hoje, vive em Londres, preside a Mobile Entertainment Forum Americas e elabora estratégias digitais para artistas como Lady Gaga e U2.

INFO - Como surgiu a ideia de produzir e vender ringtones?

RALPH SIMON - Tive a ideia quando observava adolescentes que usavam celular em Helsinque, na Finlândia. Voltei para Los Angeles disposto a conseguir os direitos autorais das músicas, mas os artistas negaram. Recorri a um parceiro na Austrália para conseguir os direitos de algumas canções e produzi o primeiro ringtone comercial. O problema é que a gravadora EMI ameaçou me processar em 45 milhões de dólares. Tivemos de contratar um advogado de Hollywood para nos defender e conseguimos os direitos para fazer os toques de celular.

INFO - Produzir ringtones ainda é um bom negócio?

SIMON - As vendas têm caído, pois as pessoas obtêm os toques gratuitamente na internet. Mas há novos modelos, como o ringback tone, que permite escolher qual música será ouvida no lugar do tom de chamada, quando se liga para alguém. Outro exemplo são os players sociais, como o Tunewiki, em que as pessoas fazem as traduções das músicas e podem brincar de games com as letras.

INFO - Você acha que os artistas dão importância à presença digital?

SIMON - A maioria não tem essa percepção. Os bons dão importância, porque é uma forma de conseguir audiência mundial. Para isso, é preciso obter a lealdade digital dos fãs. É necessário ser sempre autêntico, pois as pessoas querem ser infl uenciadas por alguém real. O fl uxo de novidades tem de ser constante — as pessoas querem ser surpreendidas. Os fãs são como tamagochis, aqueles bichinhos que precisam ser sempre alimentados.

INFO - O que você acha dos consultores de etiqueta que dizem que usar ringtones é falta de classe?

SIMON - Ah, isso só pode ser um problema para seu avô. Para os jovens, é uma forma de expressar sua personalidade. Eu, por exemplo, tenho o ringtone de uma música do grupo AC/DC no meu celular.

veja também