MENU

O primeiro coração artificial integral não vai bater

O primeiro coração artificial integral não vai bater

Atualizado: Segunda-feira, 28 Julho de 2008 as 12

Pesquisadores de várias universidades norte-americanas uniram-se em um projeto de pesquisa cujo objetivo é desenvolver um coração totalmente artificial, com bombas independentes para substituir os ventrículos direito e esquerdo.

Além de buscar a substituição integral do coração doente, em todas as suas funcionalidades, a grande novidade do novo coração artificial é que ele não vai bater - em vez das tradicionais bombas pulsantes, ele utilizará duas bombas rotativas de fluxo, absolutamente silenciosas e sem vibrações.

O projeto está em fase de simulação e agora os cientistas estão analisando o impacto que as novas bombas terão sobre o sangue. Antes que o novo coração que não bate seja testado em animais é necessário saber com precisão como as células sangüíneas e as plaquetas se comportarão.

"Como essas bombas serão implantadas para uso a longo prazo, nós temos que ter certeza que o dano ao sangue será mínimo," diz o professor Matteo Pasquali. Dois tipos de problemas são mais preocupantes: a liberação excessiva de hemoglobina pelas glóbulos vermelhos - o que seria tóxico para os rins e para o fígado - e o processo de ativação das plaquetas - que podem induzir à formação de aglomerados de glóbulos brancos que podem entupir pequenos vasos sangüíneos.

Outra preocupação dos engenheiros é como fazer com que as bombas respondam de forma pronta, mas suave, às necessidades variáveis de sangue apresentadas pelo corpo - como quando a pessoa se exercita ou sobe escadas rapidamente, por exemplo.

Também está merecendo especial atenção o sincronismo entre as bombas que substituirão os dois ventrículos. "O coração tem uma capacidade de auto-regulação embutida," explica Pasquali. "Como as duas bombas que formam o coração artificial integral contornam o coração [natural] totalmente, é importante embutir um mecanismo para a regulação no dispositivo. De outra forma você poderá ter um acúmulo de sangue nos pulmões se a bomba esquerda estiver bombeando muito lentamente em relação à bomba direita."

Os cientistas estão levando a utilização das tecnologias disponíveis ao extremo. Seu objetivo é construir um coração artificial que seja, ao mesmo tempo, pequeno o suficiente para ser implantado em uma criança, e potente o suficiente para bombear toda a necessidade de sangue de um adulto.

Os primeiros testes em animais, que serão feitos em bezerros, deverão começar assim que os cientistas confirmarem todas as previsões em seus simuladores.

veja também