MENU

Setor de telecom terá faturamento recorde no Brasil em 2011

Setor de telecom terá faturamento recorde no Brasil em 2011

Atualizado: Terça-feira, 13 Setembro de 2011 as 12:55

O faturamento do setor de telecomunicações no Brasil fechou o primeiro semestre deste ano em R$ 100,7 bilhões, resultado que se mantido resultará no faturamento recorde superior aos R$ 180 bilhões registrados em 2010. O resultado foi anunciado pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, durante a Master Session do Futurecom 2011, realizada nesta segunda-feira (12). O grande responsável pelo bom momento é o cenário econômico positivo, ressaltou o ministro.

Segundo ele, a feira representa o momento que vive o setor, “poucas vezes tão promissor”. O mercado interno forte, com a incorporação ascensão de milhões de brasileiros a classes mais ativas economicamente, também permitiu que mais cidadãos tivessem acesso a produtos e serviços de Telecom, que por sua vez também não param de crescer. “Esse desempenho reflete o rigor e a estabilidade de um País que se supera”, disse o ministro.

No entanto, ainda falta investir muito. Nos últimos quatro anos, apontou Bernardo, o setor diminuiu seu ritmo de expansão e o investimento médio não chegou a R$ 17 milhões anuais. “Isso não é suficiente para dar conta do momento social e das demandas da indústria”, disse o ministro. Essa insuficiência tende a se agravar ainda mais com a popularização prometida dos tablets, que tiveram sues impostos reduzido e devem ser também distribuídos em programas educacionais mantidos pelos governos estaduais. “Governo e iniciativa privada devem se esforçar ao máximo para aproveitar o momento histórico das empresas do setor, imprimindo um salto de volume e qualidade de infraestrutura.”

Sanção presidencial

Um dos grandes drivers desse investimento da indústria, o Projeto de Lei 116 - agora Lei do Audiovisual Brasileiro - sancionado nesta segunda-feira pela presidente Dilma Rousseff, remove antigas barreiras da lei do cabo e permite as operadoras de telecomunicações oferecerem serviços de tevê por assinatura. Segundo Paulo Bernardo, a Lei possibilita maior agilidade na outorga de novas atualizações para o serviço, e “o consumidor certamente ganhará”. Outra medida, em fase de finalização e que deve ser lançada nas próximas semanas, é o regime especial de tributação do PNBL. Ele vai incentivar investimentos e gerar empregos através da redução dos impostos no setor, objetivando principalmente aumentar a participação dos equipamentos fabricados no País neste mercado.           Por: Marcelo Vieira   

veja também