MENU

Tecnologia de prevenção a enchentes só chega em 2011

Tecnologia de prevenção a enchentes só chega em 2011

Atualizado: Segunda-feira, 16 Agosto de 2010 as 9:30

Além de intervenções em infraestrutura, a Prefeitura de Belo Horizonte está investindo R$ 3 milhões no monitoramento hidrológico para melhorar a previsão dos eventos. A meta é que, entre o fim de 2011 e o início de 2012, 42 estações pluviométricas estejam implantadas na capital. Dessas, 17 vão medir também o nível dos córregos. Os primeiros equipamentos começam a funcionar este ano, como teste. Haverá ainda quatro estações climatológicas, que fornecerão dados sobre a velocidade dos ventos, a pressão atmosférica, a umidade do ar e a temperatura. As medições serão feitas com o auxílio de satélites, até a instalação do radar meteorológico, que está sendo comprado pelo estado.

De acordo com a coordenadora do Sistema de Meteorologia e Recursos Hídricos de Minas Gerais (Simge), do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Paula Pereira de Souza, o radar permitirá fazer previsões em curtíssimo prazo - duas a três horas, tempo de formação de uma tempestade. O acompanhamento ocorrerá 24 horas por dia. “É uma ferramenta para previsão de, no máximo, quatro horas e a única que prevê chuvas de granizo. Com ela, é possível também ver as tempestades severas, que se formam em poucos minutos, fazem um estrago grande na cidade e vão embora rapidamente. Prejuízos e tragédias poderão ser evitados”, afirma. O custo total da instalação está estimado entre R$ 10 milhões e R$ 15 milhões.

O primeiro radar do estado ficará em Mateus Leme, na Grande BH. De lá, os dados serão transmitidos para a sede do Igam, na Cidade Administrativa. O aparelho tem alcance de 200 quilômetros - até esse raio, será possível ver com precisão a quantidade de chuvas. A 400 quilômetros, os técnicos ainda poderão fazer o monitoramento, embora com perdas de informação. Poderão ser analisadas as ocorrências que surjam até o perímetro da Bacia do Rio Doce e em boa parte da Zona da Mata. Segundo Paula de Souza, seriam necessários pelo menos quatro radares para cobrir todo o território mineiro.

Cuidado

Em BH, moradores de áreas onde há risco de inundações passaram por um treinamento dado pela Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e pelo Corpo de Bombeiros, para saber quais procedimentos adotar em caso de emergência. Os Núcleos de Alerta de Chuvas (NUCs) foram inspirados nos Núcleos de Defesa Civil (Nudecs), instalados nas áreas de risco dos aglomerados. “Preparamos a população para que o nível de risco seja o menor possível. É o mínimo para as pessoas saberem o que fazer e que tipo de socorro buscar”, diz Ricardo Aroeira.  

Postado por: Thatiane de Souza

veja também