MENU

Telefonia móvel e tráfego de dados cresceram 10 vezes em 4 anos, diz Oi

Telefonia móvel e tráfego de dados cresceram 10 vezes em 4 anos, diz Oi

Atualizado: Quinta-feira, 28 Outubro de 2010 as 9:04

Presidente da operadora, Luiz Eduardo Falco, afirma que o Brasil está cada vez mais conectado, apesar dos desafios geográficos e de regulamentação. Falando sobre quantas pessoas no Brasil, atualmente, se conectam a Internet, o presidente da Oi, Luiz Eduardo Falco, afirma que a empresa já conecta 44 mil escolas com banda larga no Brasil. O executivo foi o segundo destaque do dia no Futurecom 2010.

Segundo ele, a empresa já tenta chegar a lugares sem cobertura, como, por exemplo, Manaus. “Manaus é uma cidade de 2 milhões de habitantes, seria um absurdo ela ser uma das últimas a ter acesso no Brasil”, destaca.

Para Falco, o primeiro desafio na cobertura de telefonia e internet, fixa e móvel, é a diversidade de regiões. “O Brasil não é igual. É um erro procurar soluções únicas de conectividade para todas as regiões”, explica.

De acordo com os dados apresentados pelo executivo, 66% das pessoas assistiam TV em 2003, frente a 57% das que, em 2010, assistem. Com os periódicos em papel, a mesma coisa, pois, segundo Falco, em 2000, 1,2 milhão de pessoas lia jornais impressos por dia, sendo que, atualmente, o número caiu para 942 milhões, o que representa uma queda de 25%.

“O Brasil está cada vez mais conectado”, afirma ele, apresentando dados a respeito do aumento nas vendas de telefones celulares. Em 2006, por exemplo, havia 18 milhões de usuários de telefonia móvel. Em apenas quatro anos, este número cresceu dez vezes e já registra mais de 180 milhões. Com tráfego de dados, a mesma coisa, iniciando, no mesmo período, com 6 milhões e, atualmente, aponta 60 milhões.

Falco afirma que a aceleração da conectividade das pessoas é absolutamente inevitável, no entanto, ainda há alguns desafios, pelos quais as operadoras brasileiras têm que passar. São eles: desafios regulatórios, ou seja, as oportunidades de concessão, dinheiro para investimento e homologação; tarifação de EILD; assimetrias regulatórias e licitações das freqüências.

“Nem todas as tecnologias chegam ao Brasil, no entanto, os clientes precisam e querem usar todas existentes. Por este motivo, temos que ampliar a voz e a internet móvel e fixa em todos os lugares”, explica ele.

Banda larga popular

Falco revela que a Oi já investe e implantará a banda larga popular, independente do PNBL. “Nós já fizemos o telefone fixo e o celular populares, é natural que invistamos na internet também”, finaliza, afirmando que, também, haverá a TV popular da operadora.

  Por Andressa Nascimento    FONTE: IPNEWS.COM.BR

veja também