5 destinos ideais para curtir sozinho pelo Brasil

5 destinos ideais para curtir sozinho pelo Brasil

Atualizado: Terça-feira, 13 Dezembro de 2011 as 9:29

Passar o tempo livre de pernas cruzadas pode até fazer sentido a dois. Mas sozinho não leva a lugar nenhum, literalmente. Mesmo assim, muitas pessoas deixam de conhecer novos destinos e conhecer novas pessoas com medo de se aventurarem por aí sem companhia. No entanto, quem se arrisca não se arrepende.

Além de descarregar as tensões, quebrar a rotina e abrir um leque de situações diferenciadas, encarar uma viagem sozinho pode presentear o viajante com situações que jamais ocorreriam caso estivesse em grupo. Embora a violência seja uma das razões pelas quais a prática não é ainda muito comum no Brasil, alguns destinos nacionais são consideravelmente seguros. E abraçam o visitante que chega solitário de um jeito especial.

1 - Arembepe (Bahia)

A vila de Arembepe preserva a rusticidade natural do litoral baiano dentro de uma área de proteção ambiental. Este refúgio ecológico está localizado a cerca de 30 quilômetros ao norte de Salvador, na Costa dos Coqueiros, cidade de Camaçari. Ideal para um reencontro com a natureza, a paisagem conjuga harmoniosamente a praia de dunas e coqueirais com piscinas naturais formadas pelos recifes, o santuário de tartarugas do Projeto Tamar e a singular comunidade de “bichos-grilos” – é um antigo reduto hippie - à infraestrutura hoteleira simples, mas bem planejada.

Esportes aquáticos como surf, jet ski e mergulho, caminhada por trilhas, passeio de canoa e banhos nas piscinas do rio Capivara são alguns exemplos de diversão garantida. Sem deixar de citar as noites movimentadas na pracinha central à beira-mar, com feirinhas de artesanato e iguarias oferecidas por baianas à caráter. Também na aldeia hippie, a noite é aquecida por muita música à luz de fogueiras. Ao longo do ano, festas de origem religiosa ganham novos tons em festivais culturais de movimentos alternativos com espetáculos artísticos inovadores e atrações promovidas pela comunidade local.

2 - Jericoacoara (Ceará)

A pequena aldeia de pescadores está incrustada em área de proteção ambiental, circundada por praias belíssimas. Em 2002, foi transformada em Parque Nacional e, desde então, a região é cercada pelos cuidados de preservação, o que a mantém em sua forma selvagem e protegida por acessos limitados de trilhas – 24 quilômetros de dunas. Inconfundivelmente paradisíacas, suas praias convidam ao relaxamento, às caminhadas à beira-mar e ao extraordinário espetáculo de mergulho do Sol nas águas mornas ao entardecer, cujo palco privilegiado é a Duna do Pôr do Sol. Nos meses de julho a agosto, o grande arco de pedra esculpido pela natureza, a Pedra Furada, rouba e emoldura a cena. A seu lado, o Serrote, monte de quartzo com 98 metros de altura, se ergue como pedestal do Farol de Jericoacoara.

A aldeia também fervilha com atividades mais dinâmicas na famosa Praia do Preá, local de esportes náuticos como windsurf, kitesurf, surf e vela. Mas passeios de buggy sobre as dunas ou para exploração dos recantos que guardam lagoas de água doce cristalina, como a Lagoa Azul, são formas extraordinárias de preencher o dia. À noite, as fogueiras armadas nas dunas de areia acompanham os luais inesquecíveis, ao som de berimbaus de rodas de capoeiristas. Barracas então pipocam na rua principal, oferecendo uma infinidade de bebidas tropicais e exóticas. Bons bares e restaurantes iluminam suas mesas com velas que cintilam ao som da música mesclada ao burburinho alegre dos visitantes.

3 - São Tomé das Letras (Minas Gerais)

São Tomé das Letras ergue-se sobre um pico de cristais poderosos, a 1444 metros de altura na Serra da Mantiqueira, em Minas Gerais. A cidade está envolvida em lendas e magia e, não sem razão, é considerada a mais mística do Brasil.

As atrações estão fortemente atadas à atmosfera contagiante da vida rústica, despojada de qualquer luxo. Portanto, comida caseira típica, artesanato exotérico e caminhadas em meio às corredeiras, cachoeiras e vales são seus apelos mais intensos de distração. Chegar só nesta viagem é um acontecimento passageiro, dado o caloroso envolvimento da comunidade com seus visitantes.

4 - Ilha do Mel (Paraná)

Em uma reentrância da Serra do Mar, a Baía de Paranaguá esconde a mais preciosa pérola do litoral paranaense: a Ilha do Mel. O refúgio rústico com praias magníficas é uma região de reserva dedicada à preservação do ecossistema da Floresta Atlântica e, portanto, aberta aos visitantes autorizados previamente. Pequenas áreas são destinadas à habitação e estão estruturadas para o camping, pousadas, restaurantes e lanchonetes.

Cinco vilarejos espalhados em áreas de ocupação envolvem atrações singulares. Ao sul, a Gruta de Encantadas, morros, bicas de água e prainhas que convidam para passeios, esportes na areia, surf e parapente. A leste, o Farol das Conchas, de onde se extraem vistas deslumbrantes, trilhas em meio à mata e as praias mais frequentadas para surf, bodyboarding, mergulho e pesca. Já ao norte, a Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres, o labirinto de canhões, trincheiras de pedra e o mirante salpicam a paisagem do Morro da Baleia, região mais pacata, mas com praias muito propícias ao windsurfe e canoagem. Paisagens magníficas podem ser avistadas de Ponta Oeste, no noroeste da ilha.

5 - Pantanal (Mato Grosso do Sul)

Neste santuário ecológico, viajar sozinho pode ser melhor do que acompanhado. Livre das distrações dos amigos ou companheiro (a), dá para contemplar com calma uma infinidade de animais, o belo pôr-do-sol em horizonte aberto e os piados sem fim das centenas de pássaros. A hospedagem é em pousadas e hotéis-fazenda, muitas vezes geridas pelos próprios donos, que lhe farão você se sentir em casa.

Não faltarão atividades para ocupar o dia. Um dos pontos fortes do Pantanal são os safáris fotográficos, feitos de carro 4x4 ou de barco. O terreno plano e a vegetação baixa facilitam a observação dos animais, o que não acontece na Amazônia. Pesca de piranha, caminhada e cavalgadas são outras atividades possíveis. (por Camila Sayuri)

veja também