518 candidatos passaram ao mesmo tempo na Fuvest, Unicamp e Unesp

518 aprovados na Fuvest, Unicamp e Unesp ao mesmo tempo

Atualizado: Quinta-feira, 16 Fevereiro de 2012 as 8:06

Um levantamento feito pelo G1 com base nas primeiras chamadas dos aprovados nas três grandes universidades públicas paulistas – Universidade de São Paulo (Fuvest/USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Estadual Paulista (Unesp) apontou que 3.958 estudantes passaram em pelo menos duas das três instituições, e 518 candidatos foram aprovados nos três vestibulares.

A presença desta “tropa de elite” de vestibulandos nas três listas provoca um contingente de vagas não preenchidas e um grande número de convocados nas segundas e terceiras chamadas. As universidades estudam a possibilidade de criar uma primeira chamada unificada para, na ocasião, o candidato já definir em qual das três instituições vai estudar. Com isso, aceleraria o processo de formação das turmas.

Nesta terça-feira (14), a Fuvest convocou mais 2.373 candidatos na segunda chamada do vestibular. O número representa 21,66% das vagas disponíveis que não haviam sido preenchidas na primeira chamada. A lista revelou ainda que 66 das 100 vagas disponibilizadas pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa no vestibular da Fuvest não havia sido preenchida. Outras 2.307 vagas sobraram nos cursos da USP.

De acordo com a Santa Casa, o fato de a faculdade ser particular, mas selecionar seus estudantes por meio da Fuvest faz com que muitos candidatos optem pelo curso de medicina sem perceber que precisarão pagar mensalidades. Em 2011, a primeira chamada preencheu 40 das 100 vagas ofertadas pela Fuvest. Neste ano, segundo a Santa Casa, 3 das 11 vagas ofertadas pelo Programa Universidade Para Todos (Prouni) foram preenchidas na primeira chamada. A comprovação de documentos da segunda chamada ainda está em andamento.

Também na terça, a Unesp chamou mais 3.275 candidatos, o que representa 49,4% das vagas que não foram preenchidas na primeira chamada. E a Unicamp, que teve 45,44% das vagas em aberto após a primeira chamada, anunciou nesta terça a sua terceira chamada, com 713 candidatos, o que representa 20,7% do total de vagas.

A matrícula de quem passou na segunda chamada da Fuvest será feita nesta quinta-feira (15). A terceira chamada será feita dia 18.

A proporção não foge muito ao registrado nos últimos anos (veja quadro ao lado), mas revela um longo caminho burocrático até o preenchimento completo das vagas. Novas chamadas serão anunciadas nas próximas semanas.

Matrícula precisa ser confirmada

Todos os estudantes que fizeram a matrícula na USP terão de confirmar a vaga nos dias 5 e 6 de março. Segundo o manual do candidato, “a efetivação da matrícula dos candidatos convocados em 1ª, 2ª e 3ª chamadas e que tiveram efetuado sua matrícula na condição de Satisfeito [S] ou Matriculado [M] estará sujeita à confirmação da mesma, que deverá ser feita pessoalmente pelo ingressante ou por procuração, junto à Seção de Alunos da Escola em que efetuou a sua matrícula. A não confirmação de matrícula nesse prazo, fixado no Calendário Escolar de 2012, implicará o cancelamento automático da vaga obtida e, consequentemente, a exclusão do candidato de qualquer eventual convocação posterior.”

Primeira chamada unificada

Segundo o pró-reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, uma comissão formada por integrantes das três universidades estuda a possibilidade de criar uma primeira chamada unificada para otimizar o processo de preenchimento das turmas. Porém, de acordo com Knobel, ainda não há definições de como esta lista funcionaria. "Estamos estudando, mas é um assunto bastante complexo."

A Unicamp prevê até 11 chamadas para completar as vagas. Knobel diz que alguns alunos são convocados após o início das aulas, o que é ruim tanto para eles quanto para o funcionamento dos cursos, porém trata-se de um número irrisório. "É natural que o estudante prefira uma universidade a outra, por razões de economia, logística ou amizade, e algumas importantes instituições ficam de lado. Nenhuma vaga deixa de ser preenchida, mas podem ocorrer várias chamadas. Buscamos maneiras de resolver isso."

Reescolha na USP

Para minimizar as dificuldades de preencher as turmas, a partir deste ano, os estudantes que prestaram o vestibular da Fuvest e não forem convocados após a divulgação da terceira chamada que ocorre na próxima sexta-feira (18) poderão mudar a escolha da carreira. De acordo com o cronograma da USP, esses candidatos, selecionados a partir da reescolha, farão matrícula em 16 de março. As aulas começam em 27 de fevereiro.

"Como na primeira semana há a recepção dos calouros, quem entrar pela reescolha vai perder pouco tempo de aula. Em anos anteriores, teve estudante que começaram a frequentar aulas em abril, o que é péssimo para o aluno e péssimo para o professor”, diz Mauro Bertotti, professor do Instituto de Química e assessor da Pró-Reitoria de Graduação da USP.

Segundo ele, como muitos candidatos são aprovados nos vestibulares de várias universidades, cria-se um “buraco” naquelas que são escolhidas, o que é impossível impedir. Neste ano, 1.910 estudantes foram convocados na primeira chamada da USP fase e não se matricularam.

A Unesp deve preencher as 6.629 vagas deste ano em quatro chamadas. Do número total de convocados na primeira chamada, 49,4% não se matricularam. Este índice tem aumentado ao longo dos anos.

'Tríplice coroa'

Victor Pinheiro Rosa é um dos 518 estudantes que passaram na USP, Unicamp e Unesp. No jargão do futebol, conquistou a "tríplice coroa" (quando um time ganha o campeonato estadual, o Brasileirão e a Copa do Brasil). Depois de uma primeira tentativa fracassada na Fuvest - em 2011, ele prestou apenas dois vestibulares, para a USP e para a Universidade Federal do ABC, mas decidiu tentar novamente. Neste ano, foi aprovado em engenharia na USP, Unesp, Unicamp e em outros cinco vestibulares. Victor optou por cursar a Escola Politécnica, na Cidade Universitária, em São Paulo. "Queria passar na USP", diz o estudante.

Matheus Ricci Mendes de Araújo, de 18 anos, soube primeiro que havia passado na Unesp em engenharia civil, mas queria mesmo era entrar na USP. Acabou aprovado em engenheria química tanto na USP quanto na Unicamp. "Quero muito estudar na

USP, e depois do resultado da Unesp fiquei mais animado." Ricci passou em primeiro lugar em engenharia civil no campus de Bauru da Unesp.

Já Beatriz Franchi Gonçalves, de 18 anos, escolheu a USP para não precisar sair da Grande de São Paulo. Depois de estudar entre as 7h e as 22h30 e fazer todos os simulados do cursinho - mas sem abandonar outras paixões, como as aulas de violão

-, ela conquistou o 13º lugar no curso de odontologia da USP, o 7º no da Unicamp e o 19º no da Unesp. "Depois descobri que a faculdade de odontologia da USP é a melhor da América Latina, então eu acho que escolhi bem", afirmou a integrante do seleto grupo.

* Colaboraram Paulo Guilherme, do G1 SP, e Rafael Soares, da Editoria de Arte/G1

veja também