A crise e o possível trauma na nova geração de profissionais

A crise e o possível trauma na nova geração de profissionais

Atualizado: Segunda-feira, 24 Outubro de 2011 as 1:26

A crise financeira internacional pode traumatizar toda uma geração de profissionais, por conta da mistura de alto desemprego, crescente inatividade, trabalho precário nos países desenvolvidos e aumento de trabalhadores pobres nos países em desenvolvimento. O alerta é da OIT (Organização Internacional do Trabalho).

De acordo com a entidade, está cada vez mais difícil para o jovem encontrar um trabalho que não seja um emprego em tempo parcial ou temporal, sendo que o número absoluto de jovens desempregados diminuiu pouco nos últimos anos, passando de 75,8 milhões em 2009 para 75,1 milhões no final do ano passado. Para este ano, estima-se que o desemprego entre os jovens atinja 74,6 milhões de pessoas.

A queda, entretanto, não se atribui ao fato de mais jovens entrarem no mercado de trabalho, explica a OIT, mas ao fato de que muitos desistem de procurar emprego e “escondem-se” no sistema educacional ou esperam em casa que a situação melhore.

Solução

Ainda segundo a OIT, entre 2008 e 2009, auge da crise financeira internacional, o número de jovens desempregados no mundo apresentou alta sem precedentes, de 4,5 milhões. No período anterior, o crescimento ficava na faixa de 100 mil pessoas por ano.

Para o diretor executivo do setor de emprego da OIT, José Manuel Salazar-Xirinachs, os governos precisam criar mais empregos por meio de medidas que vão além do mercado de trabalho, mas que passam por remover os obstáculos da recuperação econômica.

veja também