Aos 12, Pedro Írya coleciona vitórias em campeonatos de skate

Aos 12, Pedro Írya coleciona vitórias em campeonatos de skate

Atualizado: Quinta-feira, 22 Setembro de 2011 as 9:37

Assim, de primeira, Pedrinho não mete muito medo, não. É garoto obediente, um dos menorzinhos da galera, com a mãe sempre por perto. Já o Írya tira onda. Seus rolês no skate já lhe renderam 27 vitórias nos 29 campeonatos em que participou, como a categoria mirim do circuito Sampa Skate. Ele é o único skatista mirim brasileiro, aliás, a receber patrocínio de uma marca californiana de streetwear, a Lost. Pedro está sempre andando de skate com moleques mais velhos, às vezes com mais de 20 anos. Os veteranos dizem que comparar é sacanagem. Com eles. É assim com Pedro Írya, 12 anos, o carinha aí na foto ao lado que corta o céu que nem foguete com seu skate. Até vê-lo em ação, nem todo mundo acredita que Pedrinho, como a família e os colegas da 6ª série o chamam, pode se transformar em Írya, prodígio mirim das pistas de skate. Quando treina à tarde, depois de bater um pratão de arroz integral e feijoada de soja (toda a família é vegetariana), a mãe vai junto. Lícia fica de olho para protegê-lo do que define como "lado dark" do esporte. Segundo ela, a geração do filho representa novos tempos. No passado, a prancha rolante ficou com nome sujo na praça: muitos encaravam como sinal de gente à procura de encrenca. "Uma fama ruim, de rebelde", diz a mãe. Esse tipo de preconceito caiu de maduro. E Pedro é um exemplo do bom mocismo sobre rodas. Até seu nome é zen: Írya, em sânscrito, significa "tem poder, mas com amor". Marca registrada sua é o sorriso que nunca tira do rosto, mesmo com o vento na cara durante uma das manobras radicais, quando seus 1,57 m giram feito ioiô no ar. Tudo o que sobe, claro, tem de descer. "Levo muito tombo! Calça jeans, comigo, dura dois, três meses...", diz.

PROFISSA Pedro quer seguir os passos de Bob Burnquist, o skatista brasileiro mais bem sucedido lá fora, e zarpar para os Estados Unidos. O garoto avalia que a tradição do esporte no Brasil ainda é fraca. "Na escola, a maioria das pessoas não liga muito para skate. Eles preferem futebol." Ao que tudo indica, para chegar aos EUA, esse aspirante a Neymar das pistas já tem meio caminho rolado.  

veja também