Atração, paixão e obsessão

Atração, paixão e obsessão

Atualizado: Sexta-feira, 5 Novembro de 2010 as 3:51

A química da paixão

A paixão mexe com os hormônios

Acredita-se que um dos momentos biológicos mais propícios para se apaixonar ocorre quando estamos vivendo situações emocionais extremas, como alegria, tristeza ou excitação em demasia, pois o cérebro fica repleto das substâncias dopamina, noradrenalina e serotonina. Elas podem nos predispor quimicamente à paixão e, então, talvez aconteça o tão sonhado amor à primeira vista.

Ansiedade, primeiro sintoma da paixão

Será que ele vai ligar?

Os sistemas químicos que participam na formação do vínculo amoroso entre os parceiros podem ser também poderosos estimuladores da ansiedade. Quem nunca se sentiu inseguro e/ou ansioso com aquele friozinho na barriga quando trocou os primeiros olhares e palavras com o parceiro escolhido?

Para explicar este paradoxo, os estudiosos têm afirmado que os seres humanos são ansiosos até que um vínculo social é conquistado e, uma vez que isso ocorra, é provável, embora não necessário, que a ansiedade seja substituída por sentimentos positivos de estabilidade, aconchego, integração e prazer de estar ao lado da outra pessoa.

Outro dado curioso a respeito da atração é que ela se caracteriza por ser um estado mental alterado com entusiasmo ou júbilo semelhante à fase hipomaníaca da doença ou transtorno bipolar, com aumento dos níveis de dopamina e noradrenalina.

Semelhanças entre paixão e obsessão

A imagem do amado vira obsessão

Outros componentes da atração são representados por comportamentos padrões específicos que evocam uma resposta de reciprocidade ("no mundo, só existe o meu amado e somente eu existo para ele") e pensamentos intrusivos ("o meu amado não sai da minha cabeça"), que são parecidos com as obsessões típicas de uma doença, o transtorno obsessivo-compulssivo (TOC).

Obsessões são pensamentos repetitivos e desagradáveis e compulsões são condutas, gestos, rituais ou atitudes repetitivas; ambos são incontroláveis. Por exemplo, medo de se contaminar com germes, lavar as mãos repetidamente, ordenar ou arrumar objetos sempre de uma forma.

Pesquisadores italianos, liderados pela psiquiatra Donatella Marazziti, formularam essa hipótese porque mostraram que nas pessoas que tinham se apaixonado recentemente (estavam na fase de atração) e ainda não tinham tido relação sexual com o parceiro, a quantidade de serotonina no cérebro era mais baixa que nos indivíduos que não estavam apaixonados e semelhante aos níveis observados no grupo de pacientes com TOC.

Atração e obsessão

Obsessão pelo homem amado gasta a sua energia

Portanto, quem está na fase da atração pode ter um cérebro predisposto quimicamente à obsessão pelo ser amado e gastar toda a sua energia mental em pensamentos que rodam repetidamente e insistentemente na imagem, inicialmente, idealizada do amado.

veja também