'Bróder' retrata amizade e complexidade da periferia paulistana

'Bróder' retrata amizade e complexidade da periferia paulistana

Atualizado: Segunda-feira, 25 Abril de 2011 as 12:01

A câmera persegue desesperadamente três garotos que correm por entre as vielas e corredores estreitos do Capão Redondo. No entanto, aqui, eles não estão fugindo da polícia ou de traficantes. Trata-se de uma brincadeira, uma disputa para ver quem chega primeiro ao local combinado. E é com essa visão lúdica da periferia, como extensão da casa e um lugar acolhedor, que "Bróder", ótima estreia de Jeferson De na direção de um longa-metragem, diferencia-se dos demais filmes de favela do cinema brasileiro.

Após premiação da crítica no festival de Paulínia e de ganhar quase tudo em Gramado, a produção chega ao circuito comercial e dá novo fôlego ao cinema nacional, fugindo um pouco do óbvio e dos temas batidos que foram se acumulando nos últimos anos.

Na história, três amigos de infância se reencontram depois de um período de distanciamento: Pibe (Sílvio Guindane) decidiu sair do Capão Redondo e se tornou corretor de imóveis, mas passa por problemas financeiros; Jaiminho (Jonathan Haagensen) virou jogador de futebol na Espanha e promessa de futuro craque da seleção brasileira; Macu (Caio Blat) continuou no bairro e está prestes a entrar no mundo do crime ao aceitar que sua casa seja o cativeiro de uma criança que será sequestrada.

Os três decidem aproveitar a festa de aniversário de Macu para reforçar a amizade e passar o dia juntos, passeando pelo bairro no qual cresceram. Mas a coisa complica quando os traficantes da área decidem aproveitar a passagem de Jaiminho para sequestrá-lo. É nessa hora que Macu precisará decidir qual atitude tomar: proteger o amigo ao custo de comprar uma dívida com os criminosos ou usar a situação como prova de sua coragem para entrar no grupo dos traficantes.

"Bróder" é cheio de acertos, a começar pela escolha do Capão Redondo como locação. O bairro da Zona Sul da capital paulista não é apenas um ambiente para a história, mas um personagem do filme, além de servir como microuniverso do Brasil das contradições e das facetas multiculturais.

As situações mostram que Jeferson De tem muito mais dor de cabeça do que Spike Lee na hora de fazer críticas sociais e raciais. E a família de Macu mais uma vez mostra o homem da casa como um elemento fraco, simbolizando a ausência do Estado – uma metáfora frequente no cinema nacional.

Mas a interessante história (elaborada por Jeferson De em parceria com Newton Cannito), o olhar diferenciado e os belos planos e enquadramentos não seriam suficientes para sustentar o filme se não houvesse uma perfeita química entre os atores, e o elenco não decepciona.

Além da sempre competente Cássia Kiss, que interpreta a sofrida Dona Sônia, mãe de Macu, e Ailton Graça, no papel do padrasto inseguro e alcoólatra, "Bróder" funciona por conta de sua trinca de protagonistas.

A sintonia entre os três é evidente e os atores nos fazem acreditar que são realmente amigos de infância. Guindane traz em seu semblante as incertezas de alguém que ainda está descobrindo na pele as dificuldades da vida adulta – e sem dinheiro. Haagensen é o jovem que acabou de ficar rico, mas que não esquece suas origens. Ele troca a comida de restaurantes chiques pela feijoada da madrinha, e sua felicidade em estar no bairro natal é expressa pelo carisma e sorriso de Haagensen.

Inevitavelmente, é Caio Blat quem mais chama a atenção e mais uma vez entrega uma interpretação memorável (como já havia feito em "Batismo de Sangue", por exemplo). O ator desaparece sob a pele de Macu, seja no linguajar carregado de gírias, seja na malemolência do andar ou no semblante fechado e agressivo.

Macu é mais um desses milhões de jovens que são tragados pela violência, não por status, nem porque ele é naturalmente mau, mas simplesmente porque suas opções tornam-se a cada dia mais raras e porque o crime faz parte de seu cotidiano.

Como o próprio diretor brinca, Bróder é sobre a família do Zé Pequeno (personagem do filme "Cidade de Deus"), é sobre como esses garotos se tornam "Zé Pequenos" diariamente. Aliás, há outro paralelo entre o filme de Jeferson De e de Fernando Meirelles: é em "Bróder" que conhecemos o verdadeiro "Trio Ternura".

Por: Leonardo Vinicius Jorge

veja também