Bullying e cyber-bullying: como não sofrer com isso

Bullying e cyber-bullying: como não sofrer com isso

Atualizado: Terça-feira, 26 Julho de 2011 as 10:16

Você já deve ter visto um amigo virando a piada da turma e, sem perceber, deu risada da situação. Achar graça da piada de alguém faz essa pessoa ganhar fama de engraçado, certo? O problema é quando o alvo da piada não gosta nadinha dessa situação e, por timidez ou medo, fica isolado e quieto. Nesse caso, a brincadeira perde a graça e a piada vira bullying. E você, que deu risada, acaba se transformando em plateia de algo muito desnecessário.

Valentão sem noção O bullying, que vem do termo inglês bully e significa brigão, é sempre praticado por alguém que precisa se mostrar forte pra todo mundo. Só que, na cabeça desse garoto ou dessa menina, o jeito mais fácil de parecer superior é humilhando e ofendendo os mais tímidos e que não têm coragem de revidar os ataques. Tem como evitar? Se você é super na sua e jamais teria coragem de revidar o bullying, procure não se isolar no colégio. Existe sempre uma galera que tem mais a ver com você e que a curte do jeitinho que é. Fique perto deles. Tem como acabar com isso? Por mais que você sinta vergonha e medo de reclamar, o seu silêncio só piora a situação. Fale com seus pais, com um professor ou mesmo com o diretor. Coloque na sua cabeça que ninguém no mundo tem o direito de a pôr pra baixo. O ato de sofrer bullying pode piorar seu desempenho nos estudos e deixar a vida meio cinza. Pense bem. “Uma menina da minha sala não era muito bonita e sempre ficava quieta. O pessoal apelidou ela de Fiona e sempre a zoavam. Até que um dia, no recreio, deram um tapa no rosto dela. Mas aí eu e minhas amigas fomos ajudá-la. Mesmo assim, até hoje essa menina se isola. Ela mal abre a boca...”

Luana, Contagem, MG

Saia da plateia É mais fácil rir quando você vê alguém chamando uma colega de um apelido muito feio do que tomar partido e defendê-la, não é? Mas pare pra pensar: e se você estivesse no lugar dessa amiga que vive de cabeça baixa? Por isso, vale a pena olhar feio pra a valentona que pratica o esporte de humilhar quem é mais quietinha. Quando o bullying é praticado por uma amiga sua: provavelmente sua turma toda percebe que o que essa garota faz é errado. Então, que tal criar coragem e dar um toque nela? Diga que pôr os outros pra baixo não é nem nunca vai ser algo bacana. E não tenha medo. “Tornar-se cúmplice fortalece o agressor”, explica a psicóloga Maria Tereza Maldonado. Quando o bullying é praticado contra uma amiga sua: incentive a garota a procurar ajuda de algum responsável (tanto no colégio quanto em casa). Se você ver que ela tem vergonha de fazer isso, converse você mesma com um professor, o que não pode é deixar pra lá. “É desse silêncio que se valem os agressores, por isso, nada de ficar quietinha”, aconselha a psicóloga Maria Irene Maluf. “Os meninos da minha sala adoram zoar um garoto do 2º ano. Até comida já esfregaram no rosto dele. O pior é que a direção do colégio não faz nada em relação a isso. E, que eu saiba, ninguém foi avisar a direção.”

Caroline, Carapicuíba, SP

O problema de virar o jogo Em alguns casos, depois de superar a zoação e supostamente dar a volta por cima no bullying, é comum a agredida tentar se fortalecer “brincando” com alguém que tenha o mesmo perfil que ela: quietinha e megatímida. Mas fazer isso é a maior prova de que o problema ainda não foi superado. Fazer um exame de consciência é sempre a melhor maneira de lidar com esse assunto. Descontar sua mágoa nos outros nunca vai resolver nada. “Sempre fui a mais alta da sala e me colocavam muitos apelidos, o pessoal também fazia umas comparações que eu não gostava. Pedia pra pararem, mas nada... Até que um dia eu parei de ligar. Agora, também coloco apelidos”,

Adriana, Belo Horizonte, MG

As diferenças... Bullying de menina: elas preferem espalhar fofocas do mal e isolar a vítima da turma.

Bullying de menino: eles são mais explícitos e podem até partir para a agressão física.

Cyber-crime Ter seu Orkut, Facebook, Twitter e cia. zoados não é nenhuma novidade hoje em dia. Afinal, a pessoa sem noção que faz isso acredita que nunca vai ser descoberta. Aí é que mora o engano... O que muita gente “valentona” não sabe é que dá, sim, pra descobrir quem fez a agressão rastreando o computador. “A vítima pode imprimir o material ofensivo e denunciar o agressor nas delegacias especializadas em crimes de informática. Um perito pode perfeitamente descobrir a identidade do agressor, mesmo que ele se disfarce com um contato falso”, explica Maria Tereza Maldonado.

Pra evitar o cyber-bullying...

- Não aceite amigos dos quais você nunca ouviu falar em nenhum site de relacionamento e bloqueie suas fotos no Orkut, assim só quem é seu amigo terá acesso a elas, ok?

- Use a webcam só com seus BFFs.

- Evite postar fotos suas de biquíni, principalmente se estiver sozinha. Esse tipo de foto é um prato cheio para que os desocupados de plantão façam montagens.

- Quando usar um computador que não é seu, não deixe nenhuma senha registrada.  

veja também